Leonor Parreira considera que integração da FCCN na FCT vai resolver questão de financiamento

A integração da Fundação para a Computação Científica Nacional na Fundação para a Ciência e a Tecnologia serviu para ultrapassar um problema de financiamento, justificou a secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, no Parlamento.

Leonor Parreira diz ter sido surpreendida pela demissão do conselho executivo da FCCN
Foto
Leonor Parreira diz ter sido surpreendida pela demissão do conselho executivo da FCCN Rui Gaudêncio (Arquivo)

A secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, afirmou esta quarta-feira que a integração da Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN) na Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) serviu para ultrapassar um problema de financiamento daquela instituição, explicando que ela não tinha uma existência autónoma no Orçamento do Estado.

“Este mecanismo vai permitir integrar o financiamento da FCCN no Ministério da Educação e Ciência (MEC)”, disse Leonor Parreira numa audição na Comissão parlamentar de Ciência, convocada pelo deputado do PCP Miguel Tiago, onde foi ouvida para prestar esclarecimentos sobre o financiamento do sistema científico e a política de recursos humanos, recrutamento e investimento em projectos de ciência. Segundo a secretária de Estado, as verbas necessárias para a missão da FCCN, como o pagamento da Biblioteca de Conhecimento Digital (B-on), que permite o acesso a publicações científicas internacionais, foram retiradas do orçamento atribuído a três universidades.

Uma das questões levantada diversas vezes durante a audição foi a extinção da FCCN e a integração das suas funções na FCT, a instuituição que gere o financiamento científico em Portugal, anunciada em Conselho de Ministros a 11 Dezembro de 2012. “O Governo tem dito que esta é uma estrutura de grande importância, eficiência e eficácia e, por isso, a qualidade da sua função e operacionalidade não vai sofrer [alterações]”, disse Leonor Parreira.

Luís Magalhães, antigo presidente da FCT e da Agência para a Sociedade do Conhecimento até 2011 — que em 2012 foi absorvida pela FCT —, recusou aquela explicação: “Não há nada na legislação que impeça transferências financeiras da FCT para a FCCN.” Magalhães explicou que entre 1997 e 2002 era, aliás, a FCT que fazia esta transferência e o dinheiro vindo dos sucessivos Orçamentos do Estado já incluía o financiamento da FCCN.

Em Setembro de 2012 o Governo comunicou à FCCN a intenção de “não reduzir ou cessar os apoios financeiros públicos e/ou não cancelar o estatuto de utilidade pública”, segundo se lê numa carta do secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, enviada à fundação.

Na última terça-feira, o conselho executivo da FCCN apresentou a demissão contra a decisão posterior do Governo.
“Fomos surpreendidos ontem [8 de Janeiro pela demissão]”, disse Leonor Parreira na Assembleia da República. “Ainda muito recentemente o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, teve uma reunião com os altos cargos da FCCN que foi serena”, acrescentou a secretária de Estado.

Pedro Veiga, presidente demissionário da FCCN, realçou, em declarações ao PÚBLICO já depois da audição de Leonor Parreira na comissão parlamentar, que o ministério nunca justificou ao conselho executivo da fundação esta integração e dá outra versão do que se passou na reunião mencionada. “Manifestei profundo desagrado pela decisão, disse que não concordava.”

Regime de excepção para os laboratórios

A secretária de Estado revelou ainda que o ministro das Finanças assinou um despacho que “alarga” a aplicação do regime de excepção à Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em Atraso aos laboratórios do Estado, aos laboratórios associados e a outras instituições públicas da área da investigação científica. <_o3a_p>

“O que pode dar uma ajuda” à resolução das dificuldades económicas destas entidades, disse a secretária de Estado. A Lei proíbe que as instituições gastem mais dinheiro se já têm pagamentos em atraso. As universidades já estavam abrangidas por um regime de excepção a esta Lei.

Notícia actualizada às 21h15