Vercauteren e a contratação de Jesualdo: "É tudo claro para mim"

O técnico belga diz que não está preocupado com o seu futuro no Sporting e acredita que a equipa vai inverter o ciclo negativo.

Vercauteren: "Se tiver medo de perder a minha posição não posso ser treinador"
Foto
Vercauteren: "Se tiver medo de perder a minha posição, não posso ser treinador" Nuno Ferreira Santos

Franky Vercauteren diz que vai procurar com Jesualdo Ferreira as melhores opções para o Sporting, assegurando que as funções de cada um são claras e que não está preocupado com o seu futuro.

“As primeiras impressões são boas, é alguém com quem se pode falar de futebol. Tentamos encontrar soluções para os problemas e já falámos sobre as funções de cada um e está tudo a correr bem. Juntos sabemos mais do que sozinhos e, com a experiência e as qualidades de cada um, podemos encontrar soluções para o clube, que é o mais importante, não o treinador ou o manager”, disse nesta sexta-feira Vercauteren.

O técnico belga garantiu que não está preocupado com o seu futuro no clube e que não se incomoda com as informações que surgem na imprensa sobre a sua hipotética saída do Sporting e substituição por Jesualdo Ferreira, novo responsável por todo o futebol do clube.

“Nunca sabemos por que razão se dizem certas coisas. Falei com o presidente e o manager e é tudo claro para mim. A minha prioridade é a qualidade do Sporting e o que podemos fazer para melhorar. Se tiver medo de perder a minha posição, não posso ser treinador”, defendeu.

Franky Vercauteren, que sucedeu a Ricardo Sá Pinto no decorrer da presente época, garantiu que pretende cumprir integralmente o seu contrato, que termina em Junho de 2013. Desde que o belga assumiu o comando, o Sporting conseguiu duas vitórias em nove jogos, foi eliminado da Taça da de Portugal e da Liga Europa e segue em 10.º lugar no campeonato, não conseguindo inverter aquele que já é o pior arranque de época da sua história.

“Tenho contrato e vou respeitá-lo a 200 por cento, por isso não vou perder tempo e energia a responder a essas coisas. Juntos vamos procurar soluções, isso é o mais importante”, concluiu.

A equipa vai cumprir neste sábado em Vila do Conde o último jogo de 2012, frente ao Rio Ave, a contar para a Taça da Liga, e o belga confia que o grupo regressou de férias com vontade de inverter os maus resultados.

“No primeiro dia, foi difícil o regresso ao trabalho, pelos excessos cometidos nestas alturas e porque alguns jogadores estavam cansados pelas viagens. No dia a seguir, já estavam muito agressivos no treino e prontos a recomeçar. Encontrei um grupo com muita vontade, como queria ver. Como normalmente jogamos como treinamos, é isso que quero”, afirmou Vercauteren, que não espera facilidades da parte da formação orientada por Nuno Espírito Santo.

“O Rio Ave é como todos os adversários quando jogam com o Sporting. Esperamos um adversário com qualidade, a tentar jogar futebol e fazer tudo para ganhar. É uma boa equipa, com bons jogadores, mas o mais importante é a nossa qualidade. Vai ser um jogo difícil”, defendeu.

Vercauteren disse que a equipa está consciente da importância da Taça da Liga nesta temporada, mas alertou que, mais importante que definir objectivos, é saber o que se deve fazer para os atingir.

“Podemos ter objectivos, mas temos de estar focados no que temos de fazer para os atingir. Muitas vezes, a prioridade é querer ganhar e não o que temos que fazer para o conseguir. É fácil queixarmo-nos, mas é mais difícil encontrar soluções. Temos que saber o que é preciso fazer para ganhar, e as vitórias vão chegar”, defendeu.

O treinador rejeitou o favoritismo e lembrou que o Sporting está no segundo lugar do seu grupo na competição, que é liderado pelo Paços de Ferreira.

“Uma equipa ganhou e estamos atrás. É claro que se essa equipa ganhar um segundo jogo, nós precisamos do máximo de pontos para a bater. O favoritismo é só no papel, mas vamos fazer tudo para estar na frente”, disse.

O técnico referiu que esta paragem foi boa para se sair de um “ciclo negativo”, de modo a recomeçar o trabalho de forma mais “positiva e livre”.

Em relação ao mercado de Janeiro, Vercauteren disse que já falou com os responsáveis do clube sobre os alvos e as prioridades e que agora é esperar para ver o que se consegue fazer.

“Temos de esperar até ao final de Janeiro, pois tudo pode acontecer. Até ao último segundo, tudo é possível. Já falámos sobre o que é importante para a equipa, agora temos de atingir os alvos e ver o que é possível. Vamos ver como as coisas acontecem em Janeiro”, concluiu.