João Loureiro eleito presidente do Boavista com 567 votos favoráveis

O antigo líder "axadrezado" era o único candidato às eleições para a liderança da direcção do clube.

João Loureiro volta à presidência do Boavista
Foto
João Loureiro volta à presidência do Boavista Ricardo Castelo/NFactos

João Loureiro foi nesta sexta-feira eleito presidente do Boavista, num acto eleitoral, realizado no Porto, em que recebeu 567 votos favoráveis, contra sete nulos.

As urnas para as eleições boavisteiras fecharam às 19h, tendo votado 574 sócios do clube, num universo de cerca de 6.000 eleitores.

João Loureiro regressa assim ao futebol e ao Boavista cinco anos após ter deixado os “axadrezados” e depois de suceder, na altura, ao seu pai, Valentim, que comandou o Boavista de 1978 a 1997.

Foi, contudo, na presidência de João Loureiro que o Boavista conquistou os maiores êxitos desportivos, antes de ser punido e relegado para os escalões secundários.

Nas eleições realizadas nesta sexta-feira, João Loureiro, foi o único candidato a concorrer.

João Eduardo Pinto de Loureiro, 49 anos, ganhou todos os títulos de futebol em Portugal, destacando-se o inédito campeonato de 2000-01 e ainda dois segundos lugares, que valeram três presenças na Liga dos Campeões - foi ainda uma vez semi-finalista da Taça UEFA.

Sob a sua presidência, o Boavista construiu o Estádio do Bessa Século XXI, com capacidade para 30.000 pessoas, apenas explorada no Euro 2004, pois na esmagadora maioria dos jogos do clube o recinto teve menos de meia casa.

Os elevados custos de construção e manutenção acabaram de vez com o equilíbrio financeiro do clube e começaram a pesar demasiado num orçamento que vivia à custa de sucessivas vendas “milionárias”, para a dimensão do clube.

Em 2007, com um clima interno de crescente degradação à sua volta, João Loureiro opta por deixar a presidência do Boavista, que um ano depois é condenado no caso “Apito Final” (promovido pela Comissão Disciplinar da Liga) a descer de Divisão, estando até hoje na II Divisão, o terceiro escalão do futebol luso.

Nesse mesmo processo, confirmado por reunião do Conselho de Justiça que os tribunais agora “anularam”, João Loureiro foi suspenso por quatro anos e multado em 25.000 euros.

O agora eleito presidente boavisteiro volta empenhado a recuperar o estatuto do Boavista, que em Novembro aderiu ao Processo Especial de Revitalização (PER), após reconhecimento de “insustentabilidade financeira”, causada pelas dívidas de 48,3 milhões de euros a quase 50 credores.