Investigadores da Universidade Nova descobrem nova espécie de dinossauro

Espécie que existiu na América do Norte é semelhante a dinossauros encontrados na Lourinhã, em Portugal.

Foto
Descrição da espécie foi feita no Journal of Systematic Palaeontology DR

O português Octávio Mateus e o suíço Emanuel Tschopp, investigadores da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã, divulgaram este domingo a descoberta de uma nova espécie de dinossauro a partir de achados escavados nos Estados Unidos da América.

"Verificámos que este dinossauro do Jurássico Superior [com 150 milhões de anos] que existiu na América do Norte é um novo género e uma nova espécie para a ciência”, afirmou à Agência Lusa Octávio Mateus, investigador e orientador da tese de doutoramento de Emanuel Tschopp.

O Kaatedocus siberi, como veio a ser designado, é um saurópode, um dinossauro de grande porte físico, de pescoço e cauda compridos.

O paleontólogo explicou que “é semelhante a um pequeno ‘diplodocus’, com 12 a 14 metros de comprimento”, que tinha diferenças anatómicas no crânio e nas vértebras por comparação a outros do mesmo grupo”.

Outra das características do animal é ser “relativamente pequeno”, ao contrário de outros géneros e espécies do mesmo grupo dos ‘diplodocídeos”, que eram por norma gigantescos.

“Não sabemos se seria uma espécie pequena ou se seria um dinossauro juvenil”, adiantou.

O facto de ter sido descoberto entre sedimentos rochosos mais antigos do que aqueles em que foram encontrados outros dinossauros do mesmo grupo leva os cientistas a afirmar, mais uma vez, que “os animais tendem a aumentar de tamanho ao longo dos anos”.

A descrição da nova espécie, que constituiu um avanço na compreensão da família dos ‘diplodocídeos’, consta de um artigo que acaba de ser publicado na última edição online do Journal of Systematic Palaeontology.

Em 1991, uma equipa de investigadores suíços, liderada por por Hans-Jakob Kirby Siber, escavou no estado do Wyoming, nos Estados Unidos da América, o crânio e o pescoço completo “muito bem conservados” deste dinossauro.

Octávio Mateus e Emanuel Tschopp foram escolhidos pelo museu Sauriermuseum Aathal, da Suíça, para estudar o achado.

O animal foi descoberto numa jazida onde veio a encontrar-se uma “grande concentração de dinossauros, tanto herbívoros como carnívoros”, que ainda não está de todo explicada pelos cientistas.

O dinossauro é semelhante a outros descobertos no concelho da Lourinhã, um dos locais do país mais ricos em achados paleontológicos, o que leva os cientistas a concluir que a existência de dinossauros semelhantes no continente americano e na costa portuguesa é indicadora da proximidade entre os dois continentes há150 milhões de anos atrás.