Futebol

Cardozo mantém Benfica vivo na Champions

O Benfica estreou-se a ganhar na fase de grupos da Liga dos Campeões 2012-13 frente ao Spartak (2-0), encaixando um milhão de euros e mantendo vivo o sonho de chegar aos oitavos-de-final da prova. Cardozo entrou para a segunda parte e resolveu o jogo com dois golos. O paraguaio podia, no entanto, ter feito outros tantos, tendo até desperdiçado um penálti. O que não estava nos planos “encarnados” era a vitória do Celtic sobre o Barcelona (2-1), que baralha um pouco as contas do Grupo G.

Refundação tem sido um termo bastante discutido em Portugal. E que pode ser utilizado para o efeito que Cardozo teve no ataque do Benfica. Após uma primeira parte com várias oportunidades, mas em que faltou eficácia, o paraguaio entrou para refundar o ataque “encarnado”. Rendeu Rodrigo e, em poucos minutos, deixou a sua marca no jogo. Artur esteve em bom nível, respondendo nas ocasiões em que o Spartak ameaçou a sua baliza.

Os “encarnados” entraram em campo com vontade de chegar rapidamente à vantagem. Sem meias medidas, a única opção para o Benfica na Liga dos Campeões passava por vencer os russos. Para tal, eram necessários golos, embora Cardozo — que no sábado fizera dois no triunfo (3-0) sobre o Vitória de Guimarães — tenha começado a partida no banco de suplentes. Jesus preferiu Rodrigo para fazer dupla com Lima.

Mas a eficácia do Benfica foi nula na primeira parte. A oportunidade mais flagrante esteve nos pés de Lima e de Salvio — após mais uma incursão de Melgarejo pela esquerda, o paraguaio deu em Lima, que à meia volta rematou forte para defesa de Rebrov. Na recarga, Salvio atirou incrivelmente para fora, desperdiçando uma ocasião clara.

O Benfica trocava rapidamente a bola no ataque, com Lima, Rodrigo, Salvio e Ola John a revelarem bom entendimento. Mas na altura de visar a baliza de Rebrov, faltava pontaria. Aconteceu com Enzo Pérez (24’), Jardel (31’) ou Rodrigo (40’). Antes, na sequência de um livre logo no segundo minuto da partida, Garay ficou a milímetros de cabecear para golo, num lance em que ficou por assinalar uma grande penalidade para os “encarnados”.

Por seu lado, na única vez em que o Spartak visou a baliza do Benfica no primeiro tempo, Bilyaletdinov desmarcou-se bem e rematou, mas Artur correspondeu com uma boa defesa (13’).

Golo era a palavra-chave. E se há nome que é sinónimo de golos para o Benfica, esse é Cardozo. O paraguaio foi lançado para a segunda parte e não demorou a deixar a sua marca na partida.

Mas, primeiro, até foi o Spartak a dar trabalho a Artur. Bilyaletdinov rematou forte para defesa apertada do brasileiro, e depois foi Dmitri Kombarov a esbarrar no guarda-redes “encarnado”.

Cardozo começou por ver ser-lhe anulado um golo, por fora-de-jogo (51’), embora aparentasse estar em posição legal. Mas aos 55’ não houve dúvidas: apanhou de surpresa a defesa russa e, a passe de Melgarejo, cabeceou para o 1-0.

A partir daí, o Benfica sufocou o Spartak. O denominador comum foi, claro, Cardozo. Enviou a bola à trave após um canto (66’), mas não falhou aos 69’, quando fez o 2-0, com um remate à meia volta. Depois, o paraguaio foi derrubado na área por Pareja (que foi expulso), mas na transformação da grande penalidade o remate forte foi defendido por Rebrov, com a bola a ainda tocar na trave.

A primeira vitória na fase de grupos da Liga dos Campeões já não fugiria ao Benfica. O sonho dos oitavos-de-final ainda está vivo. Para já, os “encarnados” estão obrigados a vencer a formação escocesa dentro de duas semanas. Depois haverá tempo de pensar em Camp Nou.

POSITIVOCardozo

Resolveu o jogo a favor do Benfica, com dois golos. E até podia ter marcado outros dois, mas numa ocasião enviou a bola à trave e noutra, de grande penalidade, viu Rebrov tocar a bola para o ferro da baliza. Após ter feito dois golos ao Vitória de Guimarães, o paraguaio voltou a “bisar”.


Artur

Com três boas defesas, quando o jogo ainda estava 0-0, o guarda-redes manteve a baliza “encarnada” inviolável e revelou-se importante para manter o Benfica na partida.


NEGATIVO
Rodrigo

Foi titular, em detrimento de Cardozo, mas não aproveitou a oportunidade. Esteve bastante discreto nos 45’ em que esteve em campo, e não admirou que fosse o sacrificado para a entrada de Cardozo.


Ficha de jogo

Benfica, 2


Spartak Moscovo, 0


Jogo no Estádio da Luz, em LisboaAssistência
36.448 espectadores


Benfica

Artur, Maxi Pereira (André Gomes, 77’), Jardel, Garay, Melgarejo, André Almeida, Ola John, Enzo Perez, Salvio, Lima (Bruno César, 74’) e Rodrigo (Cardozo , 46’).

Treinador

Jorge Jesus.


Spartak Moscovo

Artem Rebrov, Kirill Kombarov (Jano Ananidze, 62’), Nicolas Pareja, Insaurralde, Makeev, Rafael Carioca, Kim Kallstrom (Dzyuba, 71’), Bilyaletdinov (Suchý, 79’), Jurado, Dmitri Kombarov e Ari.

Treinador

Unai Emery.


Árbitro

Florian Meyer (Alemanha)

Amarelos

André Almeida (29'), Artem Rebrov (32’), Nicolas Pareja (39’), Makeev (33') e Jurado (82')

Vermelho

Pareja (76')

Golos

1-0, por Cardozo, aos 55'; 2-0, por Cardozo, aos 69'

Notícia actualizada às 22h46