DR
Foto
DR

Câmara de Óbidos diz que abateu cães por estarem doentes

“Dado o estado avançado da doença foi tomada a decisão de aliviar o sofrimento dos animais através da eutanásia", justifica a câmara

A Câmara de Óbidos, que está a ser acusada nas redes sociais de “massacre” devido ao abate de seis cães no canil municipal - todos os que lá se encontravam -, justificou que os animais estavam infectados com parvovirose.

Os animais foram abatidos a 15 de Outubro, data em que segundo a câmara, quando o funcionário se dirigiu ao canil municipal para proceder à limpeza e alimentação dos cães, se deparou “com os animais prostrados, com diarreias de sangue e com vómitos frequentes”, refere a autarquia em comunicado.

Chamado o veterinário municipal, os cães “foram levados para a enfermaria [do canil] onde lhe foi diagnosticada a parvovirose”, uma doença “altamente contagiosa e que degrada, de forma violenta, a vida dos animais infectados”, para além de impossibilitar a colocação de outros animais no canil.

“Dado o estado avançado da doença foi tomada a decisão de aliviar o sofrimento dos animais através da eutanásia, procedendo-se de acordo com as normas sugeridas pela Direcção Geral de Alimentação e Veterinária”, acrescenta o documento do município. O PÚBLICO tentou, sem sucesso, questionar o executivo municipal sobre os motivos por que se deixou chegar a doença ao "estado avançado" e só então foi tomada uma medida.

Canil reaberto

A autarquia "remete todos os esclarecimentos para o comunicado", diz o assessor de imprensa. Ainda segundo a autarquia, após a descoberta do surto, o canil foi sujeito a “sistemáticas desinfecções às instalações” e a um período de vazio sanitário para evitar contágios futuros. As instalações foram reabertas nesta sexta-feira. Fonte da autarquia adiantou à Lusa que “o canil já recebeu outros animais e se encontra a funcionar normalmente”.

A justificação da câmara surge depois de o caso ter sido tornado público nas redes sociais com acusações de “massacre” e de ter encerrado o canil por falta de funcionário.

A situação deu origem a uma petição que já ultrapassou a 3800 assinaturas, em que é exigida “a punição dos responsáveis” pelo abate dos cães “sem aparente razão válida” e sem que tenham sido avisadas “as associações e particulares”, que poderiam ter efectuado acções tendentes à adopção dos animais. 

A câmara sublinha tratar-se de “uma decisão eminentemente técnica” e lamenta que “a informação tenha sido deturpada nas redes sociais”.