O gabinete de Miguel Relvas não comenta Daniel Rocha
Foto
O gabinete de Miguel Relvas não comenta Daniel Rocha

Wikipédia: perfil de Relvas mais completo em inglês que em português

Miguel Relvas tem versões diferentes na Wikipedia, consoante o idioma. Entre 3 de Julho e 15 de Agosto, a página redigida em inglês foi actualizada 193 vezes

Os cibernautas que acederem à página da Wikipedia, escrita em inglês, dedicada a Miguel Relvas, ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, têm à sua disposição informações sobre todas as polémicas que envolvem aquele governante.

O PÚBLICO apurou que entre 3 de Julho e 15 de Agosto a página redigida em inglês foi actualizada 193 vezes. Ao comparar com a redacção da página em português, constata-se que a informação divulgada em inglês ultrapassa, em larga medida, a disponível na versão portuguesa, com especial enfoque nas polémicas que envolvem Relvas.

Contactado pelo PÚBLICO, o assessor de imprensa do ministro, António Valle, disse não conhecer o conteúdo da página em questão. Adiantou, ainda, que o gabinete não iria fazer qualquer comentário. 

Comparada a página em inglês disponível em 2 de Julho com a versão actual verificam-se diferenças notórias. Às cinco linhas que caracterizavam Miguel Relvas foram acrescentadas informações sobre o percurso profissional e político do dirigente social-democrata: são mais 20 parágrafos, divididos por quatro categorias. Qualquer pessoa pode criar uma página ou fazer alterações nos artigos da enciclopédia online, e na página escrita em inglês dedicada a Relvas são vários os utilizadores que procederam a actualizações.

A categoria dedicada às controvérsias que envolvem o ministro é a mais extensa e actualizada, marcando a principal diferença para a página escrita em português. Nesta, as polémicas resumem-se a dois episódios, aos quais é acrescentado o caso da licenciatura de Relvas na Universidade Lusófona.  

Ao invés, os cibernautas que consultarem a página inglesa podem aprofundar a leitura sobre as controvérsias que envolvem o ministro. São referidas alegadas relações de Miguel Relvas à maçonaria, bem como questões ligadas a "assuntos legais e éticos", como é genericamente referido na página da Wikipedia em inglês. Neste campo, são referidos, entre outros, a relação de Relvas com o "superespião" Jorge Silva Carvalho e as ameaças a uma jornalista do PÚBLICO.  

Podem ler-se ainda acusações já relatadas na imprensa. Como os 30 mil euros que Relvas terá gasto em chamadas telefónicas, pagas pelo município de Tomar. E acusações relativas a falsificação de moradas nos seus primeiros anos de deputado, para continuar a auferir os subsídios aos deputados deslocados da sua área de residência. 

Verificou-se, também, uma actualização da página em português, com o maciço fluxo de actualizações a ter início a 3 de Julho, a mesma data da primeira das 193 alterações da página em inglês. O PÚBLICO comparou as duas versões e as semelhanças são evidentes. Até porque, a 2 de Julho, a página portuguesa era parca em informações sobre a carreira do ministro, tendo a maior parte da informação actual sido introduzida em Julho e Agosto. 

Se a página em português não aborda o lado mais polémico na biografia de Relvas tal deve-se a uma edição que eliminou algumas das actualizações realizadas. Ao contrário da página em inglês que não sofreu qualquer tipo de filtro.

Este processo é natural e está de acordo com a política de edição da Wikipedia, que aconselha os utilizadores e editores (que exercem a actividade em regime de voluntariado) a eliminar informações em casos de "duplicação e redundância", "irrelevância", "falta de senso evidente", "violação dos direitos autorais", "inexactidão", e "considerações controversas sem fonte sobre pessoas vivas".

O PÚBLICO tentou contactar a Wikipedia para clarificar a política de edição da enciclopédia online, mas não obteve resposta. No que toca a fontes que sustentem a informação disponibilizada, os utilizadores que procederam às actualizações em inglês remetem para notícias publicadas na imprensa portuguesa sobre as polémicas em torno de Miguel Relvas.