Chile: a luta dos estudantes só pára quando o ensino mudar

Eliseo Fernandez/Reuters
Fotogaleria
Eliseo Fernandez/Reuters

A ditadura de August Pinochet impôs quase duas décadas de reformas anti-gastos públicos com a educação, entre 1973 e 1990. Mais de 20 anos depois da queda do regime, o Chile não se livrou da herança e conta com um dos sistemas educacionais mais caros e desiguais do mundo. Foi por isso que esta quarta-feira, dia 8, mais de mil estudantes voltaram a sair às ruas em Santiago do Chile. Confrontos com a polícia, palavras de ordem gritadas, objectos no ar. Resultado: três autocarros incendiados, 75 pessoas detidas e 49 agentes feridos. Os estudantes prometem não parar enquanto o Governo não der sinais de mudança. O presidente chileno, Sebastián Piñera, já prometeu mais investimento, mas os pilares do sistema educacional – exclusivamente privado – mantêm-se, para já, inalteráveis.

Cristobal Saavedra/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Cristobal Saavedra/Reuters
Eliseo Fernandez/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Cristobal Saavedra/Reuters
Eliseo Fernandez/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Eliseo Fernandez/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Carlos Vera/Reuters
Eliseo Fernandez/Reuters
Sugerir correcção