Futebol

A história da Liga Europa já se confunde com os golos de Falcao

Falcao completou esta edição da prova com 12 golos
Foto
Falcao completou esta edição da prova com 12 golos Foto: Tony Gentile/Reuters

Fosse qual fosse o desfecho da final de Bucareste, havia uma garantia: a capital romena assistiria ao quinto título espanhol no século XXI no que à segunda competição da hierarquia da UEFA diz respeito. Calhou ao Atlético de Madrid (até 1921 filial do adversário desta quarta-feira) repetir o triunfo de 2009-10 (desta vez por 3-0), o que significa que calhou ao Athletic Bilbau emular o desaire de 1976-77.

Estavam decorridos somente sete minutos desde o apito inicial e já havia muito para contar. Falcao, graças a um lance apenas ao alcance dos predestinados, fazia o primeiro golo da noite e preparava-se para se tornar no primeiro jogador da história a sagrar-se melhor marcador da Taça UEFA/Liga Europa em duas edições consecutivas. A confirmação chegaria aos 34’ e poderia ter-se repetido aos 80’. Mas já lá vamos.

Naquela que foi a nona final da competição entre emblemas do mesmo país (aconteceu em 1971-72, 1979-80, 1989-90, 1990-91, 1994-95, 1997-98, 2006-07, 2010-11 e 2011-12), o filme do jogo foi fiel ao trailer da véspera. Sim, o Athletic quis pegar no jogo e comandar com bola. Sim, o Atlético estava atento aos espaços e soube explorá-los.

O primeiro exemplo surgiu pelos pés do colombiano que o FC Porto vendeu aos "colchoneros" (por 40 milhões de euros) já com o rótulo de goleador europeu. Em 2010-11, Falcao tinha feito 17 golos na prova; esta época, concluiu-a com 12. E, à semelhança do que acontecera na final de Dublin, guardou algum poder de fogo para o jogo decisivo. Recebeu a bola a caminho da área, travou, simulou à frente de dois defesas e puxou para o pé esquerdo, desferindo um remate para mais tarde recordar.

O Athletic não deu parte fraca, nem ajustou as coordenadas. Paulatinamente, foi tentando aproximar-se da área. De Marcos e Ander Herrera (em noite não) tentaram servir Llorente, mas o avançado esteve uns furos abaixo do habitual; Muniain tentou de longe mas Courtois esteve uns furos acima do habitual.

O intervalo chegaria com 60% de posse de bola para os bilbaínos e — mais importante — com um erro crasso, daqueles que prometem pesadelos, de Amorebieta. Aos 34’, o central facilitou à entrada da área, quando se impunha despachar a bola sem rodeios, foi desarmado, Turan entrou em cena, Falcao também e o resto é o costume. O colombiano confirmava o estatuto de goleador-mor da Liga Europa, versão revista da antiga Taça UEFA, que vai na terceira edição e na qual já leva 29 golos.

Aí, sim, ruiu o Athletic e o futebol de Marcelo Bielsa, que na segunda parte ainda lançou o irrequieto Ibai Gómez, o tampão Iñigo Pérez e o experiente Toquero para ganhar mais peso no ataque. Dispôs de oportunidades de golo? Sim, dispôs. Mas continuou a dar espaço na defesa, claramente o sector mais débil de uma equipa recheada de talento.

Falcao voltou a prová-lo aos 80’, com um drible perfeito e um remate ao poste. E (o também ex-portista) Diego arrumou a questão aos 85’, com um brilhante lance individual no qual Amorebieta desempenhou apenas papel de figurante.

Confirmava-se, assim, que o quarto troféu europeu do Atlético Madrid (tem mais uma Supertaça e uma Taça das Taças) estava garantido. E que os bascos precisavam de algo mais que o ritual de beberem um copo de Cola Cao na véspera dos grandes jogos para atrair a sorte.