SarahWhyne
Foto
SarahWhyne

Falar sozinho não é de loucos

Psicólogos norte-americanos demonstram que a falar sozinho pode não ser sinal de loucura. Repetir certas palavras em voz alta pode mesmo ajudar em certas tarefas do dia-a-dia

Um estudo recente publicado por dois psicólogos norte-americanos indica que falar sozinho pode, afinal, não ser sinal de loucura. Repetir certas palavras em voz alta pode mesmo ajudar em determinadas tarefas do dia-a-dia.

O estudo, publicado no "Quarterly Journal of Experimental Psychology", foi feito por Gary Lupyan e Daniel Swingley. Através de uma série de experiências, os dois psicólogos demonstram que falar sozinho pode ser útil em algumas situações diárias, como procurar um objecto perdido ou lembrar uma tarefa de relativa importância.

As três experiências realizadas pelos autores consistiam, de forma variada, em procurar determinados objectos num conjunto de imagens. Posteriormente, a essa busca foi acrescentado o "discurso auto-direccionado" que os autores pretendiam analisar. Os resultados foram, de certa forma, surpreendentes. A análise das experiências conclui que "falar ajuda na procura de produtos familiares".

Chamar os objectos pelo nome

No entanto, esses mesmo resultados revelam que a taxa de sucesso diminui quando os produtos são mais incomuns. Segundo os autores, isto acontece porque as pessoas têm maior facilidade em associar o discurso a objectos que utilizam ou com os quais têm contacto no dia a dia. Ainda assim, a principal conclusão reside no facto de que, em determinadas situações, falar sozinho pode aumentar a capacidade de encontrar, por exemplo, as chaves antes de sair de casa.

Lupyan e Swingley afirmam que isto acontece porque "dizer o nome do objecto em voz alta ajuda a activar, mentalmente, determinadas características visuais do objecto em questão". Os autores concluem desta forma que falar sozinho ajuda as pessoas a recordar determinadas tarefas que possam vir a desempenhar, ressalvando que "o efeito do discurso varia consoante as características do objectivo.

Uma outra conclusão curiosa resultante destas experiências é a diferença encontrada entre géneros. Os resultados finais mostraram que os homens tinham menos sucesso que as mulheres nestas pequenas tarefas. Os psicólogos também concluem que este tipo de acções é perceptível nas crianças, que se conseguem concentrar melhor na execução de algumas tarefas falando sozinhas.

Este foi o primeiro estudo (e, para já, o único) a analisar os efeitos de falar sozinho em tarefas simples como encontrar determinados objectos. Ainda assim, pessoas que falam sozinhas podem agora encontrar alguma tranquilidade neste estudo. E quando perder as chaves de casa, dizer o nome do objecto em voz alta pode ajudar a encontrá-lo mais rapidamente.