Plataforma 15 de Outubro acusa Governo de querer criminalizar movimentos sociais

Activistas dizem que houve "policiais infiltrados" na manifestação da plataforma 15 de Outubro
Foto
Activistas dizem que houve "policiais infiltrados" na manifestação da plataforma 15 de Outubro Pedro Cunha

A plataforma 15 de Outubro, que promoveu a manifestação de quinta-feira onde ocorreu uma carga policial, acusa o Governo de pretender criminalizar os movimentos sociais em Portugal.

“Somos pacíficos mas estão a tratar-nos como se fossemos um bando de terroristas e criminosos”, afirmou o porta-voz do grupo, Tiago Castelhano, numa conferência de imprensa realizada nesta sexta-feira à tarde junto à escadaria da Assembleia da República.

O activista especificou que tanto na manifestação de Novembro passado, em que houve igualmente incidentes com a polícia junto ao Parlamento, como no desfile de quinta-feira em Lisboa “houve policiais infiltrados”.

“Estão a lançar a lama sobre a plataforma 15 de Outubro”, acrescentou, estendendo as acusações a todos os partidos com assento parlamentar “que não estão interessados que surjam este tipo de movimentos”.

A plataforma considera que “a responsabilidade de tudo o que se passou é do ministro da Administração Interna” e condena as agressões a idosos e turistas, que garante terem sido observadas durante a manifestação.

Num comunicado distribuído na conferência de imprensa, a plataforma manifesta total solidariedade para com os jornalistas agredidos e detidos e considera “indigno” o comunicado da PSP “onde justifica as agressões aos jornalistas” alegando que não estavam identificados o que “não corresponde à verdade segundo o comunicado da direcção da Lusa”.

“Um manifestante de máquina fotográfica na mão justifica uma agressão e uma carga policial?”, interrogam-se os activistas.

“Perante as medidas de austeridade que nos estão a condenar à pobreza e à miséria (...) existe um só caminho: lutar”, acrescenta a plataforma em comunicado.