Fotogaleria
No Irão, ainda é necessário obter autorização do Estado para poder aceder à web noure_azadi/Flickr
Fotogaleria
[john]/Flickr

Irão vai ter uma rede alternativa à Internet

Ao mesmo tempo que os Estados Unidos tentam impor novas sanções ao programa nuclear deste país do Médio Oriente, iranianos asseguram que uma rede de informação nacional alternativa vai mesmo avançar

A criação de uma rede alternativa à Internet vai mesmo ser uma realidade no Irão. A ideia é confirmada pelo ministro das Comunicações iraniano, Reza Taghipour, citado pela agência noticiosa iraniana ISNA. O ministro afirma que "a Internet é, na sua essência, uma rede insegura" e que a criação de uma "rede segura" permite a troca de dados dentro do governo sem necessitar de recorrer à Internet.

Taghipour garante que os iranianos vão poder continuar a utilizar a Internet como complemento à nova rede nacional de informação, para um "uso genérico ou para a recepção de dados que não estejam disponíveis na rede nacional". A nova web irá utilizar "software desenvolvido a nível local", acrescenta.

Apesar desta ideia de liberdade que o governo procura transmitir, Teresa de Almeida Silva, professora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa (ISCSP), afirma que esta medida "permite ao Irão controlar a informação e difundir o que quiser dentro do país sem que o exterior saiba", o que pode aumentar ainda mais a desconfiança do mundo ocidental em relação ao país.

Seguir exemplo de Cuba ou China

Além disso, as pessoas que não têm acesso à Internet "não sabem o que se passa lá fora", acrescenta a docente. Sérgio Nunes, professor de Sistemas de Informação na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e especialista em redes e comunicações, concorda e lembra que este caminho "já foi seguido (com sucesso) por outros países, como por exemplo Cuba, a Coreia do Norte, ou mesmo a China".

Esta ideia não é nova e já há algum tempo que a possibilidade foi posta em cima da mesa, mesmo antes do anúncio feito pelo governo iraniano em Março de 2011. É conhecida a censura por parte do executivo iraniano a diversos sites, muitos dos quais utilizados por activistas opositores do regime, sendo que vários deles foram presos nos últimos anos. Ainda recentemente, poucas semanas antes das eleições parlamentares de 2 de Março, o governo bloqueou o acesso a motores de pesquisa como o Google e vários serviços de e-mail.

O Irão foi o primeiro país do Médio Oriente a introduzir a Internet, mas ainda é necessário obter autorização do Estado para poder aceder à web. Estimativas do governo apontam para cerca de 23 milhões de cibernautas no país, um número considerável e cada vez mais difícil de controlar. Por isso mesmo, esta medida parece ser o início de um controlo absoluto por parte do executivo iraniano do acesso à informação no país, embora seja difícil assumir a viabilidade deste projecto.

Teresa Silva assume que "não é difícil que o governo consiga aplicar esta alteração". A verdade é que o executivo iraniano tem condições e meios suficientes para "condicionar o acesso dos cidadãos à informação exterior e impor esta nova Intranet". Lembrando o que aconteceu no Egipto, a professora do ISCSP diz, no entanto, que "é possível que haja alguém que fure essa proibição e consiga chegar a sites interditos".

Sérgio Nunes defende que construir uma rede de comunicação semelhante à Internet é perfeitamente possível e que "seria como cortar a ligação à entrada de uma sala de computadores. Os computadores poderiam continuar a comunicar uns com os outros, mas a ligação ao exterior, e consequentemente à Internet, seria impossível".

Inicialmente, apenas algumas instituições, como bancos ou grandes empresas, podem ter acesso a esta Internet paralela. Mas o objectivo é que, progressivamente, toda a gente se "converta" à nova rede. Contudo, é difícil prever a reacção da população a esta ideia, já que nos últimos anos, apesar da censura apertada, o acesso à web tem aumentado exponencialmente e são já muitos os que dependem da Internet para obter informação livre e variada.