Casa da Pesca: "É um milagre aquilo ainda estar de pé"

Quanto tempo aguentará a cobertura da Casa da Pesca ninguém sabe. Mas todos temem que desabe a qualquer momento. E, se a cobertura cai, ficam também destruídos os estuques com motivos de pesca atribuídos ao famoso estucador do século XVIII Giovanni Grossi.

"Estamos lá dentro e vemos pedaços de estuque a cair, enquanto ouvimos a madeira a ceder", descreve Ana Celeste Glória, que fez a sua tese de mestrado sobre a Casa da Pesca e enviou, em Dezembro, um dossier para o Ministério da Agricultura, altertando para o problema.

"Uma cobertura daquelas [vigas de madeira] necessita de manutenção e nunca a teve", critica a arquitecta Hélia Silva, que fez a sua tese de mestrado sobre os estuques decorativos de Grossi em Lisboa, Oeiras e Sintra. "Se este tivesse sido um ano chuvoso, não sei se aquilo ainda era, nesta altura, recuperável."

A última vez que entrou na Casa da Pesca foi em 2006. Mas o perigo de desabamento é real, porque o processo é sempre o mesmo. "Se as madeiras são melhores pode demorar mais, mas o resultado final é o mesmo", explica.

Raquel Henriques da Silva, historiadora de Arte, diz que, não sendo possível obras a curto prazo, "pelo menos o bem deve ser salvaguardado", com "uma cobertura". O facto de nem isso ter sido feito, leva-a a concluir que há uma certa "atitude de menosprezo". E a falta de verbas não é justificação: "Tenho a certeza de que, mobilizando um conjunto de cidadãos, consigo dinheiro para uma cobertura para a Casa da Pesca."