Futebol

UEFA pede investigação à transferência de Walter para o FC Porto

Walter foi contratado ao Atlético Rentistas por seis milhões de euros
Foto
Walter foi contratado ao Atlético Rentistas por seis milhões de euros Rafael Marchante/Reuters

A UEFA pediu às autoridades inglesas que investiguem duas empresas que financiaram a compra do passe do avançado brasileiro Walter pelo FC Porto, noticia a “Bloomberg”.

A Gool Co e a Pearl Design ajudaram a adquirir o passe do brasileiro ao clube uruguaio Atlético Rentistas, a quem o FC Porto pagou seis milhões de euros por 75% dos direitos económicos.

A Gool ficou com direito a 10% de uma futura mais-valia e a Pearl Design detém 25% do passe do jogador, que foi entretanto emprestado ao Cruzeiro.

“Estamos a pedir às autoridades para verificarem”, disse Gianni Infantino, secretário-geral da UEFA, “porque somos uma empresa privada, uma associação, e não podemos ir a uma empresa e dizer: ‘digam-nos quem são e o que fazem’. Eles respondem: ‘quem são vocês para perguntar isso?’”.

As duas empresas estão sediadas em Inglaterra e não há muita informação sobre elas. Nem Mark Quirk, co-proprietário da Gool, nem Mário Jorge Queiroz Castro, gestor da Pearl Design, responderam aos emails da Bloomberg, que cita preocupações dos responsáveis da UEFA com o uso de empresas com morada em Inglaterra mas sem qualquer aparente actividade lá.

O PÚBLICO já pediu explicações à UEFA e aguarda resposta.

Os fundos de jogadores e as parcerias são um tema no topo da actualidade, depois de em Inglaterra e França ter sido proibido que os clubes partilhem os direitos económicos dos jogadores com terceiros.

Pelo contrário, em países como Portugal, Espanha e Turquia, esta partilha é permitida e tem sido cada vez mais frequente, sendo uma importante forma de financiamento dos clubes, numa altura em que o acesso ao crédito bancário é cada vez mais complicado.

O tema dos fundos e parcerias foi, por exemplo, debatido num recente congresso organizado pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (“Football Talks”), com as opiniões a dividirem-se entre os que pensam que são um instrumento fundamental no financiamento dos clubes e o que colocam reservas, nomeadamente quanto à transparência dos negócios e a origem do dinheiro.

Os clubes ingleses e franceses têm também feito pressão junto da UEFA, por causa do possível efeito dos fundos e parcerias nas novas regras do “fair play financeiro”.