Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Prémio Méret Oppenheim com traço português

Nuno André Bateira emigrou antes da crise. Trabalha no gabinete Silvia Gmür, em Basileia, na Suíça, onde, ao contrário de Portugal, a arquitectura é tratada com respeito

Não foge ao “tradicional cliché do emigrante português”, mas o arquitecto Nuno André Bateira está bem onde está — em Basileia, no gabinete Silvia Gmür, recentemente distinguido com o Prémio Méret Oppenheim 2011.

Aos 72 anos, Silvia Gmür é uma das grandes referencias da arquitectura contemporânea. A suíça trabalhou com o finlandês Alvar Aalto e com o gabinete Mitchell/Giurgola, tendo evoluído ao lado de Livio Vacchini até à sua morte em 2007. No ano passado, o seu atelier recebeu o Prémio Méret Oppenheim — distinção atribuída anualmente na Suíça pelo Office Fédéral de la Culture, sob recomendação da Comission Fédérale d'Art, a serviços prestados à sociedade —, uma espécie de prémio carreira para o qual contribuíram alguns portugueses.

“É tradição do gabinete suíço contratar portugueses e alunos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP)”, disse ao P3 Nuno André Bateira, que, a título de exemplo, recorda João Machado (agora com o gabinete Lupini Machado, em Milão) e Nuno Rodrigues (na lisboeta Promontório). “A elasticidade, a ginástica e a flexibilidade são qualidades apreciadas lá fora”, sublinha o arquitecto. “A FAUP conta com uma formação abrangente, ao contrário de uma série de grandes escolas mais inconsequentes. No Porto, um projecto conta uma história desde a concepção à execução”.

PÚBLICO -
Foto
Hospital Zollikerberg DR

Depois do Erasmus em Valência (o seu orientador da tese de licenciatura foi Pedro Gadanho), Bateira trabalhou quatro anos na Gaiurb, onde percebeu não ter “aptidão para o serviço público”. Em 2007, uma vaga e uma entrevista por telefone mudaram o rumo da sua carreira.

PÚBLICO -
Foto
Hospital St. Gallen DR

“A minha vontade de ir para fora é muito anterior à crise”, confessou ao P3 durante a última visita a Portugal, onde vivem a mulher e a filha. “Pensei em estar fora três, quatro, cinco anos no máximo, mas não me vejo capaz de voltar nos próximos anos. A crise sente-se muito ao de leve na Suíça, onde as pessoas não são nem alarmistas nem sensacionalistas”.

PÚBLICO -
Foto
Nuno André Bateira DR

"Em Portugal o cenário está minado"

Nuno André Bateira, 36 anos, vive e trabalha em Basileia, cidade de arquitectura, de Herzog & de Meuron, de Diener & Diener, Christ & Gantenbein, Harry Gugger, Miller & Maranta... “Tudo passa por lá”. Porto e Basileia estão separados por 1500 quilómetros, mas a balança, refere, está demasiado desequilibrada.

PÚBLICO -
Foto
Hospital Zollikerberg DR

“Em Portugal não existe um nível cultural que permita respeitar a obra. A instrução na área da arquitectura é diminuta. Existe muito pouco respeito pelo nosso trabalho e pelo esforço intelectual. Nota-se que há muito poucas oportunidades para jovens arquitectos e que há uma pequena burguesia que alimenta pouquíssimos arquitectos. É tudo sempre para os mesmos. E nas câmaras municipais o cenário está minado, há muitas pessoas sem escrúpulos”.

PÚBLICO -
Foto
Hospital St. Gallen DR

Nos últimos dois anos e meio, Bateira concentrou-se no Hospital Zollikerberg, em Zurique, mais do que um hotel cinco estrelas e mais um exemplo de um edifício técnico com uma vertente artística, especialidade do gabinete Silvia Gmür.

PÚBLICO -
Foto
Nuno André Bateira DR

A disciplina da luz, o ritmo e a dualidade, bem como a utilização do betão aparente — e a capacidade para potenciar a plasticidade do material — são imagens de marca e continuam a convencer clientes milionários. O gabinete onde trabalha aguarda os resultados do concurso para a construção de um projecto orçado em cerca de 280 milhões de francos (230 milhões euros).