Futebol

Um ano e oito meses depois, Benfica é novamente líder isolado

Bruno César abriu caminho à vitória do Benfica
Foto
Bruno César abriu caminho à vitória do Benfica Foto: Rafael Marchante/Reuters

Desde que terminou a época de 2009-10 como campeão, o Benfica não mais voltou a sentir o sabor de liderar o campeonato sem companhia. Até agora. Um ano e oito meses depois, a vitória no terreno da União de Leiria (4-0) permitiu à formação de Jorge Jesus ficar isolada na frente da Liga, quando falta uma jornada para o fim da primeira volta.

As ausências de Aimar e Gaitán (baixas de última hora por lesão) tiraram inicialmente algum brilho ao futebol benfiquista, mas Bruno César e Rodrigo conduziram a equipa da Luz a uma goleada, que confirma o Benfica como o grande vencedor do clássico Sporting-FC Porto. É que este triunfo significa não só uma vantagem de dois pontos sobre os “dragões” e oito sobre os “leões”, mas também um reforço psicológico para as próximas semanas.

Na Marinha Grande, a União de Leiria até foi a primeira equipa a criar perigo (aos 7’, Djaniny quase marcava ao seu futuro clube), mas revelou-se demasiado tenra para um Benfica que marcou cedo, geriu o jogo com tranquilidade e depois acelerou para a goleada, pelos pés de Rodrigo e de Bruno César. O médio brasileiro, contratado ao Corinthians, foi, aliás, a grande figura do encontro. Abriu o marcador na primeira oportunidade, com um belo remate de fora da área (logo aos dez minutos) e foi um interveniente nos últimos dois golos do jogo: assistiu Rodrigo para o 3-0 (73’) e fez um espectacular toque de calcanhar na jogada do 4-0 (76’), também finalizada por Rodrigo.

O avançado hispano-brasileiro foi outra das grandes figuras da partida. Promovido à titularidade face à lesão de Aimar, Rodrigo mostrou muita dinâmica e, além de ter bisado, assistiu Cardozo para o 2-0 (48’), num lance em que o paraguaio finalizou com um excelente remate.

O golo de Cardozo terminou com a sequência de falhas do paraguaio, que pouco antes desperdiçara uma oportunidade flagrante. E acabou também com a resistência da União de Leiria, que na primeira parte até incomodou a defesa benfiquista, quase sempre pelos pés de Djaniny, futuro jogador da equipa da Luz.

O avançado cabo-verdiano, de 20 anos, é muito possante, além mostrar boa técnica e capacidade para jogar de costas para baliza. Faltou-lhe apenas mais objectividade na hora de rematar à baliza, algo que, por exemplo, não faltou ao Benfica, que terminou o jogo com 22 remates e tem agora o melhor ataque da prova (34 golos, mais dois do que o FC Porto).

Positivo

Bruno César


Marcou o primeiro golo e esteve em outros dois. Teve pormenores de grande classe e foi o melhor em campo.


Cardozo e Rodrigo O paraguaio é capaz do melhor e do pior, mas no balanço os adeptos não se podem queixar. Igualou Baba na liderança dos melhores marcadores (9 golos). O espanhol cresce a cada jogo que passa e marcou mais dois golos.

Gottardi O guarda-redes foi o melhor leiriense. Djaniny caiu muito na segunda parte.

Negativo

Defesa da U. Leiria


Apesar do mérito do Benfica, a U. Leiria cometeu erros de principiante a defender.


Nolito Uma sombra do jogador do início da época.

Ficha do jogo

Jogo no Estádio Municipal da Marinha Grande.


Assistência: Cerca de 8.000 espectadores.


U. Leiria: Gottardi, Ivo Pinto, Manuel Curto, Marco Soares, Edson, Patrick (Jô, 46’), Marcos Paulo, Tiago Terroso (Ruben Brígido, 80’), John Ogu, Elvis (Shaffer, 80’) e Djaniny. Treinador Manuel Cajuda

Benfica: Artur, Maxi Pereira, Luisão, Garay, Emerson, Javi Garcia (Matic, 80’), Witsel, Bruno César, Rodrigo (Rodrigo Mora, 79’), Nolito e Cardozo (Saviola, 71’). Treinador Jorge Jesus

Árbitro: Cosme Machado, de Braga. Amarelos: Djaniny (24’), Edson (43’), Javi Garcia (61’) e Luisão (86’)

Golos: 0-1, por Bruno César, aos 10’; 0-2, por Cardozo, aos 48’; 0-3, por Rodrigo, aos 73’ e 0-4, por Rodrigo, aos 76’.

Notícia actualizada às 21h11