Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Reuters
Fotogaleria
Bruxelas quer facilitar as deslocações de profissionais qualificados Reuters
Fotogaleria
Bruxelas quer facilitar as deslocações de profissionais qualificados Reuters

Bruxelas quer criar carteira profissional europeia para facilitar mobilidade

Proposta oferece aos profissionais interessados a possibilidade de beneficiarem de um reconhecimento mais fácil e mais rápido das suas qualificações

A Comissão Europeia propôs esta segunda-feira a criação de uma carteira profissional europeia que reconheça a qualificação em toda a UE, para facilitar a mobilidade entre Estados-membros e preencher lacunas de uns países com trabalhadores de outros.

A carteira profissional europeia, sustenta o executivo comunitário, “permitirá um reconhecimento das qualificações mais fácil e mais célere” e a criação deste certificado electrónico enquadra-se no objectivo de “simplificar as regras aplicáveis à mobilidade dos profissionais no território da UE”.

“A proposta hoje [19 de Dezembro] apresentada no domínio das qualificações profissionais dá resposta à necessidade de se dispor de um sistema harmonioso de reconhecimento das qualificações, para encorajar a mobilidade dos profissionais em toda a Europa”, disse o comissário europeu para o Mercado Interno e Serviços, Michel Barnier.

Crescimento da economia europeia

Barnier sustentou ainda que Bruxelas quer facilitar as deslocações de profissionais qualificados “para os locais onde existem ofertas de emprego, o que se revelará, sem dúvida alguma, benéfico para o crescimento da economia europeia”.

“Estou convencido de que o conceito de uma carteira profissional europeia — um certificado electrónico — constitui a via a seguir, na medida em que irá simplificar e acelerar os procedimentos de reconhecimento para os profissionais em mobilidade”, concluiu.

A introdução de uma carteira profissional europeia irá oferecer aos profissionais interessados a possibilidade de beneficiarem de um reconhecimento mais fácil e mais rápido das suas qualificações, sustentou a Comissão Europeia.

A carteira será disponibilizada de acordo com as necessidades expressas pelos diferentes sectores profissionais e será associada a um procedimento de reconhecimento optimizado, efectuado no âmbito do actual Sistema de Informação do Mercado Interno, e assumirá a forma de um certificado electrónico, que permitirá ao profissional prestar serviços ou estabelecer-se noutro Estado-membro.

A proposta prevê ainda a criação de um “balcão único (point of single contact)” que permita a obtenção de informação sobre os documentos necessários ao reconhecimento das suas qualificações, e onde possam igualmente preencher todos os procedimentos de reconhecimento em linha.

A Comissão quer ainda introduzir um mecanismo alerta para os profissionais da saúde, ao abrigo do qual os estados-membros serão obrigadas a alertar as autoridades competentes de todos os outros no caso de um profissional de saúde ser proibido de exercer a sua actividade.