Futebol

China apresenta-se como o novo eldorado do futebol mundial

O Shanghai Shenhua contratou Anelka
Foto
O Shanghai Shenhua contratou Anelka Foto: Reuters

O crescimento económico da China, país mais populoso do mundo, transformou-a também numa potência desportiva, como se viu nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando foi a nação com mais medalhas de ouro (51 contra 36 dos EUA) e a segunda no total (100 contra 110 dos americanos). Além das modalidades em que tradicionalmente é forte (ténis de mesa, ginástica e badminton), cresceu noutros desportos, como o ténis ou o atletismo. No futebol, porém, a China continua longe de ser líder. Algo que o país está a tentar mudar. A contratação de Nicolas Anelka pelo Shanghai Shenhua é apenas mais um pequeno passo.

“Em meados de 2010 apareceu um patrocinador muito forte na federação, que quer apoiar o desenvolvimento do futebol chinês. A contratação de jogadores conhecidos é mais uma tentativa de chamar adeptos e de melhorar a aprendizagem dos jogadores chineses”, diz ao PÚBLICO Nelo Vingada, treinador do Dalian Shide, equipa do campeonato chinês.

“É uma abertura da China”, defendeu Zhou Jun, director do Shanghai Shenhua, em declarações à Reuters. O futebol chinês já tem alguns estrangeiros, mas nenhum da dimensão de Anelka ou de Didier Drogba, que está a ser desafiado a juntar-se ao seu agora ex-companheiro no Chelsea.

Contratar grandes jogadores em final de carreira na Europa foi algo tentado, por exemplo, pela Liga norte-americana e que é agora replicado pelos chineses. “Isto vai promover a marca da nossa Liga”, disse à CNN Ma Yue, porta-voz do Shanghai Shenhua, clube que também está a tentar contratar o treinador francês Jean Tigana.

PÚBLICO -
Foto
O Shanghai Shenhua contratou Anelka Reuters

Salientando que esta contratação “tem muito de marketing”, Nelo Vingada também reconhece que a chegada de jogadores estrangeiros de topo à Liga chinesa pode ter um efeito importante no desenvolvimento do futebol do país: “Os jogadores chineses são bons tecnicamente, têm uma disponibilidade física enorme, mas tacticamente são muito limitados.”

Muitas lacunas

Segundo os dados da FIFA, a China tem 711.235 praticantes de futebol filiados. Tantos, por exemplo, como a Inglaterra, mas um número muito aquém do potencial de um país com 1300 milhões de habitantes. “Esse número é um bocadinho falso”, analisa Nelo Vingada, porque “a formação de futebolistas na China tem muitas lacunas”: “A qualidade do treino é má, mas acredito que vai mudar, porque estão a chegar cada vez mais treinadores estrangeiros.”

O actual nível do futebol na China é fácil de explicar: a selecção só por uma vez esteve num Mundial (em 2002 e sofreu três derrotas em outros tantos jogos), ocupa o 72.º lugar no ranking da FIFA e já foi eliminada na fase de qualificação para o Mundial de 2014, apesar de ter contratado o espanhol José Antonio Camacho para o lugar de seleccionador.

Outro indicador é o facto de países como a Coreia do Sul e o Japão (as principais potências asiáticas) já terem colocado jogadores nos principais campeonatos, algo que os chineses ainda não conseguiram — há apenas alguns jogadores em ligas mais modestas, como actualmente o avançado Zhang, no Beira-Mar.

Nelo Vingada acredita que “mais tarde ou mais cedo aparecerá um grande futebolista chinês na Europa” e que o fosso face aos outros países vai ser reduzido. A contratação de Anelka poderá ser um bocejo no despertar do gigante chinês.