Jetman, o homem que já esteve no céu ao lado de aviões

Com quatro turbinas a jacto e uma asa às costas, Yves Rossy é o “Jetman”. Na sua última façanha, voou ao lado de dois caças

Um dos próximos objectivos do Jetman é ensinar outra pessoa a manobrar o equipamento André Bernet
Fotogaleria
Um dos próximos objectivos do Jetman é ensinar outra pessoa a manobrar o equipamento André Bernet
Um dos próximos objectivos do Jetman é ensinar outra pessoa a manobrar o equipamento André Bernet
Fotogaleria
Um dos próximos objectivos do Jetman é ensinar outra pessoa a manobrar o equipamento André Bernet

“Aaaaaaahhhhhhh!”. Seria isto, provavelmente, o que sairia da nossa garganta se, de repente, nos encontrássemos em pleno ar e víssemos, ao nosso lado, dois aviões… e nós não estivéssemos dentro de um terceiro. Não, nós seríamos o terceiro! Assusta a qualquer um, mas para Yves Rossy é apenas mais um dia no trabalho.

Deve ter sido assim que o suíço de 52 anos encarou um destes dias em Novembro passado. Por certo levantou-se da cama, tomou o pequeno-almoço e disse: “Querida, hoje não me ligues por volta das x horas, porque vou estar no céu ao lado de dois caças da ‘Breitling Jet Team’”. Ao que ela deve ter respondido: “Vê lá se não te magoas!”.

E não se magoou. A experiência de Yves Rossy com a sua asa de propulsão a jacto tem aumentado ao longo dos anos e, além disso, conta com o conhecimento adquirido nos tempos em que era piloto de combate na Força Aérea Suíça e da altura em que pilotava os aviões Boeing 747 da Swiss Air. Actualmente, também faz voos comerciais pela Swiss International Air Lines.

Foto
Yves Rossy, no seu emprego como piloto de aviões comerciais DR

Não ter penas, mas voar

Contudo, o desejo de ser como os pássaros – o sonho de Rossy sempre foi poder voar fora de uma estrutura controlada por mecanismos (como os aviões) – nasceu “há cerca de 20 anos”, quando descobriu “a queda livre”, disse o Jetman na conferência TED de Julho de 2011, em Edimburgo, na Escócia. “Quando saltamos de um avião estamos quase nus (…) e, especialmente, quando tomamos uma posição de trajectória temos a sensação de que estamos a voar”.

Mas como se trata de uma experiência “muito curta e apenas numa direcção (o solo!), a ideia era manter essa sensação de liberdade, mudar o vector e aumentar o tempo”, referiu Yves Rossy. A verdade é que conseguiu. De maneira tal que, hoje em dia, também o designam de “Fusion Man”, pela forma como se funde com a sua asa e, ali no ar, é apenas ele no elemento a conviver com a natureza.

Foto
Yves Rossy, no seu emprego como piloto de aviões comerciais DR

Canal da Mancha, Grand Canyon...

Ele é a fuselagem e é o seu corpo que controla todos os movimentos que faz no céu. Para onde quer que Rossy se quiser direccionar, só tem de inclinar a cabeça, cuidadosamente, para o lado correspondente. Tendo em conta que leva 55 quilos às costas, divididos pela asa de dois metros de largura, de fibra de carbono e fibra de vidro, pelas quatro turbinas de jacto alimentadas a querosene e pelos pára-quedas (para ele e para a asa), haja reconhecimento pelo feito.

Tudo isto conjugado permite-lhe atingir uma velocidade máxima de 300 quilómetros por hora, e voar durante cerca de 13 minutos, o suficiente para atravessar, por exemplo, os 35 quilómetros do Canal da Mancha. Algo que o Jetman fez em 2008. Desde então, não parou: Alpes Suíços, Estreito de Gibraltar, Grand Canyon... O próximo destino é para o infinito e mais além.