Pintar por cima da arte de rua é “acto de vandalismo”

Os críticos de arte discutem se a preservação da arte deve ou não depender do gosto popular

Foto
Banksy pintou esta dupla há quatro anos, na Upper Maudlin Street de Bristol Bristol Street Art

Uma criança está prestes a surpreender um sniper da polícia pronto a disparar, rebentando nas suas costas um saco de papel. Esta era a imagem que se via do Hospital Pediátrico de Bristol, até recentemente a obra de Banksy ter sido pintada de preto. O artista nada diz, como é seu apanágio, mas a população local está com ele.

É um “acto de vandalismo”, concordam as pessoas ouvidas pela BBC naquela cidade do sudoeste inglês. Pode parecer estranho que se considere “vandalismo” a destruição de street art, uma pintura na parede, mas o valor artístico das intervenções de Banksy em Bristol é há muito reconhecida por quem lá vive.


Nos meios artísticos, Banksy é um nome de relevo – com a recente nomeação ao Oscar para melhor documentário, começa a sê-lo também no cinema. As suas obras são vendidas por dezenas de milhares de euros. É um caso de sucesso comercial que coincide com o gosto popular.

Foto
Uma rosa serve de isco numa ratoeira Bristol Street Art

Não é novidade. Em 2006, a câmara de Bristol fez um inquérito online, para saber se se deveria recuperar uma obra de Banksy que tinha sido então vandalizada. A resposta (que, apesar de tudo, não pode ser extrapolada para o resto da população, como se faz com sondagens) foi retumbante: 93% disseram que sim.

Preservar ou nem por isso?

Na altura, os críticos de arte puseram as mãos à cabeça: a preservação da arte não deve depender do gosto popular, argumentaram. Em Agosto deste ano, a discussão foi levado ao nível seguinte: um investigador pós-graduado da Universidade de Bristol, John Webster, defendeu a classificação da obra, para que esta estivesse protegida por lei.

O estudo de John Webster, que se seguiu à destruição de uma outra obra em Julho, dizia que “há claramente um forte interesse no trabalho de Banksy” e que, por isso, este deve ser preservado – e que uma das formas de o fazer é através da sua classificação.

O que aconteceu em Julho foi que o novo dono de um edifício em Bristol, onde Banksy tinha pintado um gorila numa máscara cor-de-rosa, decidiu remover da parede o que considerou ruído. Quando foi confrontado com o facto de ter apagado uma obra de arte, o proprietário confessou que nem sequer conhecia o nome do artista.

O gorila foi, entretanto, parcialmente recuperado. O que ainda não é certo que seja possível com o sniper e a criança que habitavam há quatro anos a Upper Maudlin Street.