Ricardo Gomes sofreu AVC e foi operado de urgência

Foto
Ricardo Gomes é o actual treinador do clube de Rio de Janeiro Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Segundo o primeiro boletim médico, Ricardo Gomes, actual treinador do clube de Rio de Janeiro, sofreu um AVC hemorrágico. A hemorragia foi estancada e a circulação restabelecida na operação que durou três horas e meia, realizada para retirar o sangue coagulado, mas o estado do antigo jogador, em coma induzido, é reservado.

“Aconteceu tudo dentro do esperado. A impressão do doutor que o operou foi a melhor possível, e ele já viu muitos casos como o dele. O coágulo foi drenado. O quadro é favorável e agora as próximas 72 horas serão decisivas para avaliar e consolidar a situação”, afirmou Clóvis Munhoz, médico do Vasco da Gama, em declarações reproduzidas pela imprensa brasileira.

Ricardo Gomes, de 46 anos, foi transportado de urgência de ambulância do estádio João Havelange, no Rio de Janeiro, para um hospital, após sofrer o AVC durante um encontro do campeonato brasileiro.

O técnico sentiu-se mal aos 20 minutos do jogo em que o Flamengo (2.º classificado) e o Vasco da Gama (4.º) empataram 0-0, na 19.ª jornada do Brasileirão, e foi assistido pelos médicos do seu clube, que pediram imediatamente a sua transferência de ambulância para um hospital próximo do estádio.

Em Fevereiro de 2010, Ricardo Gomes tinha estado dois dias internado num hospital de São Paulo, após ter sofrido “uma pequena alteração vascular cerebral” no final de um jogo com o Palmeiras, quando treinava o São Paulo, clube que então disputava a Taça Libertadores da América.

Ricardo Gomes, que jogou no Benfica entre 1988 e 1991, proveniente do Fluminense, e depois na época 1995/96, pelo meio com uma passagem de quatro anos pelo Paris Saint-Germain, representou o Brasil no Mundial de 1990, foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, e venceu a Copa América de 1989. No Benfica, ganhou dois campeonatos (1988/89 e 1990/91)

Começou a carreira de treinador em 1996/97 no Paris Saint-Germain, onde esteve duas épocas, orientando depois vários clubes brasileiros - incluindo os “grandes” Flamengo, Fluminense, São Paulo e Vasco da Gama - e mais duas equipas francesas, o Bordéus e o Mónaco.