Petição pede casamento homossexual na "Rua Sésamo"

Egas e Becas vão continuar a ser só amigos

Egas e Becas surgiram na série pela primeira vez em 1969
Foto
Egas e Becas surgiram na série pela primeira vez em 1969 DR

Rumores já existiam. Egas e Becas são amigos, moram juntos mas será só isso? Ou são os dois bonecos da famosa série "Rua Sésamo" um casal? Há quem garanta que sim, que aquela cumplicidade e partilha é mais do que amizade. Uma petição na internet pede o casamento entre os dois. Os criadores da série negaram, esta semana, tal possibilidade. Eles vão continuar a ser só amigos, dizem.

Quando em 1966 se começou a preparar “Rua Sésamo”, uma série que pudesse utilizar a televisão como meio formativo, não se adivinhava a influência planetária nem o tempo em que se prolongaria - passados mais de 40 anos, estes bonecos americanos continuam a ser vistos por muitas crianças em todo o mundo. Perante as mudanças sociais ocorridas nestas últimas quatro décadas – como por exemplo a possibilidade de o casamento entre pessoas do mesmo sexo - alguns sectores da sociedade propuseram que se utilizasse a série como forma de divulgar outras orientações sexuais pelas novas gerações.

É precisamente a questão da homossexualidade que ultimamente tem estado em torno de “Rua Sésamo”, particularmente o casamento entre Becas e Egas, o boneco amarelo e o laranja, inseparáveis em toda a série.

As duas personagens são conhecidas por partilharem o quarto e viverem os mesmos dramas de um casal vulgar. São em tudo diferentes mas não passam um sem o outro. Facto que levantou suspeitas, ao longo dos anos, em relação à sua orientação sexual, apesar destes rumores nunca terem sido considerados pelos criadores. “Eles são apenas uns bonecos e não têm uma orientação sexual”, defenderam em resposta publicada no Facebook a uma petição que surgiu no início deste mês, propondo que os dois amigos se casem na série.

Os criadores argumentam ainda que esta união matrimonial não acontecerá, pois consideram que a relação entre as personagens tem apenas como objectivo promover a amizade entre pessoas distintas. "Elas [personagens] foram criadas para ensinar as crianças em idade pré-escolar em como podem ser amigas de pessoas diferentes de si.”

Por outro lado, os assinantes da petição acreditam que o casamento entre as duas personagens seria uma maneira de promover a tolerância para com os homossexuais, e propõem que o enlace aconteça de uma forma bonita, não tendo como objectivo chocar a sociedade. “Não pedimos que a ‘Rua Sésamo’ faça algo de forma rude ou desrespeitosa. Apenas que permitam que o Egas e o Becas se casem. Vamos propor tolerância àqueles que são diferentes. Vamos fazer com que a ‘Rua Sésamo’ e o público que assiste façam parte do salvamento de muitas vidas dignas”, defendem os apoiantes da causa, na apresentação da petição.

Intitulada “Deixem que o Egas e o Becas se casem na Rua Sésamo”, a petição, com origem nos Estados Unidos, conta até ao momento com 7.330 assinaturas, e cerca de 4700 utilizadores já se juntaram à página do Facebook do movimento.

Na petição, os seus apoiantes lembram a quantidade de histórias infantis em que as personagens são criadas a pensar no casamento. Elas existem para se casarem. Excluindo aqui uma outra orientação. "Quantas destas personagens foram retratadas para a comunidade homossexual?", questiona a petição.

Esta não é a primeira vez que surgem rumores de ligações homossexuais entre personagens animadas, embora nunca nenhum criador tenha confirmado. Na conhecida série infantil “Teletubbies”, algumas instituições conservadoras, assim como a Igreja, apontaram a personagem Tinky Winky como sendo homossexual, tecendo duras críticas aos bonecos. A polémica residia no facto de a personagem ser de cor violeta (cor associada à homossexualidade), usar uma mala vermelha, e ter na cabeça um triângulo invertido (também símbolo do orgulho gay).

Título alterado às 20h01