Estudo inédito

Cientistas explicam mudança de cor em quadros de Van Gogh

“Bank of the Seine” (1887) foi um dos quadros analisados
Foto
“Bank of the Seine” (1887) foi um dos quadros analisados Museu Van Gogh

O amarelo intenso dos quadros de Van Gogh já não é tão brilhante como quando o artista os pintou e ao longo do tempo tem tendência a ficar castanho. Esta preocupante degradação, que afecta outras cores e artistas dos finais do século XIX, deve-se a uma complexa reacção química, descoberta por um grupo internacional de cientistas, de vários laboratórios.

Vários testes com um ultra sensível raio X microscópico revelaram uma reacção química desencadeada pela luz do Sol, que causa o desaparecimento do amarelo, informa o estudo publicado, na segunda-feira nos EUA, no jornal Analytical Chemistry.

Para melhor entender o processo, o grupo de cientistas examinou ainda tubos de tinta conservados desde a época do pintor holandês.

Os pesquisadores envelheceram os pigmentos artificialmente e verificaram que o escurecimento da camada superior está relacionado com uma redução do crómio na tinta. Assim, a reacção dá-se numa camada muito fina, onde a pintura coincide com o verniz da superfície. Apesar de a luz solar ser capaz de penetrar apenas alguns micrómetros na tinta, é o suficiente para originar uma reacção que transforma o amarelo em pigmentos castanhos, alterando a composição original da peça.

"Este tipo de pesquisa de vanguarda é crucial para entendermos como as pinturas envelhecem e como devem ser conservadas para as futuras gerações", disse à AFP Ella Hendriks, do Museu Van Gogh, em Amesterdão.

“O estudo terá continuidade e queremos entender quais são as condições que favorecem a redução do crómio e se há algo que possamos fazer para reverter os pigmentos para o seu estado original nos quadros em que esse processo já está em curso”, disse à AFP Koen Janssens, da Universidade de Antuérpia, na Bélgica, que dirigiu o estudo.

Os estudos realizados em Grenoble, em França, mostraram uma redução do crómio "especialmente notável na presença de compostos químicos que contêm bário e sulfato".

Esta observação levou os cientistas a acreditar que "a técnica de Van Gogh de mesclar pintura branca e amarela pode ser a causa do escurecimento de seus amarelos", revela o estudo.

Os cientistas testaram a sua investigação em dois quadros de Van Gogh, “Field with flowers near Arles” (1888) e “Bank of the Seine” (1887), ambos expostos no Museu Van Gogh, em Amesterdão.

Van Gogh terá começado a usar cores mais brilhantes e intensas depois de se ter mudado para França, onde conheceu outros artistas como Paul Gauguin, com quem partilhou ideias.