Apoio a seminário de Manuel Pinho na Universidade de Columbia em causa

PSD quer esclarecimentos sobre patrocínios “generosos” da EDP

O PSD quer saber se este tipo de donativos da EDP também contemplam universidades portuguesas
Foto
O PSD quer saber se este tipo de donativos da EDP também contemplam universidades portuguesas Mafalda Melo (arquivo)

O PSD quer saber se é tradição na EDP patrocinar entidades do ensino superior, quais apoiou nos últimos anos e os montantes envolvidos, perguntas que serão dirigidas ao Governo e entregues segunda-feira no Parlamento.

Segundo disse à Lusa o deputado social democrata Luís Campos Ferreira, as perguntas serão dirigidas aos ministérios da Economia e das Finanças, uma vez que a EDP tem uma participação de 20 por cento da Parpública e de 5,7 por cento da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Estas questões surgem depois do Correio da Manhã ter divulgado ontem o donativo de três milhões de euros que a EDP terá concedido à Universidade de Columbia e que inclui o patrocínio ao seminário do ex-ministro da Economia Manuel Pinho.

Os deputados do PSD que assinam o requerimento a entregar na Assembleia da República pretendem saber se a EDP, em anos anteriores, prestou donativos “tão generosos” a instituições de ensino e, em caso afirmativo, quais as instituições e em que montantes.

De acordo com Luís Campos Ferreira, o PSD vai ainda questionar tanto o Ministério da Economia como o das Finanças sobre se, caso seja tradição na EDP atribuir tais donativos, “se englobava a condição de indicar um professor que lecionasse um seminário ou uma cadeira”.

“Num tempo em que o Governo está a pedir tantos sacrifícios aos portugueses, é para o PSD fundamental saber onde as empresas que têm forte participação do Estado, e por isso dos contribuintes, estão a gastar esse dinheiro”, afirmou Campos Ferreira.

Pretendem ainda os sociais democratas que os dois ministérios esclareçam quais os donativos previstos para instituições de ensino por parte da EDP para o próximo ano e quais os que prestou a universidades públicas portuguesas.

“Queremos saber se é tradição, se é uma inovação, e se a EDP tem protocolos do género, pelo menos tão generosos, com universidades públicas portuguesas”, acrescentou Campos Ferreira.

Entretanto a EDP veio esclarecer que o valor avançado pelo Correio da Manhã é “mais de o dobro daquele que totaliza o protocolado com todas as 52 universidades” apoiadas pela eléctrica portuguesa.

“No âmbito da sua Estratégia Global, a EDP tem feito um esforço de aproximação com Universidades/Instituições de Ensino nos principais mercados onde opera (Portugal, Espanha, Brasil, Reino Unido e Alemanha), tendo atualmente Acordos/Protocolos com 52 Universidades/Instituições de Ensino”, refere.

“No caso da Universidade de Columbia, encontra-se no quarto principal mercado onde a EDP opera, sendo, nesse mercado, o terceiro maior ‘player’ [operador] nas renováveis”, acrescenta.