Público decidiu não adoptar já as novas regras

Agência Lusa adopta novo acordo ortográfico a partir de amanhã

Quando for meia-noite o título deste artigo, para a agência de notícias Lusa, deixará de ter um “p” na palavra adopta. A agência começa a aplicar o acordo ortográfico a partir de amanhã, informou.

“Os jornalistas da Lusa vão pôr em prática as regras aprendidas no período de formação iniciado em novembro e contam com o auxílio do corretor ortográfico desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC)”, afirma a agência num artigo já escrito conforme as novas regras ortográficas.

Segundo a Lusa, esta decisão, que partiu da administração da agência, serve para “reforçar a vocação global nos oito países de língua oficial portuguesa, território de Macau e junto das comunidades espalhadas pelo mundo.

A decisão de adoptar em Janeiro de 2010 o Acordo Ortográfico foi tomada pela administração para reforçar a “vocação global” da Agência nos oito países de língua oficial portuguesa, no território de Macau e junto das comunidades espalhadas pelo mundo.

Afonso Camões, presidente do conselho de administração da agência, sublinhou que “em comunicação, a língua é o nosso mercado”. Em declarações à Lusa, afirmou-se consciente de que “todas as mudanças levantam problemas” mas disse que esse é “um desafio e uma oportunidade”.

“Estamos preparados para isso e estamos aptos a ajudar os nossos parceiros, os nossos clientes, a fazer esse trabalho”, acrescentou.

A preparação dos jornalistas começou em Novembro de 2009.

Aprovado em 1990 por Portugal, Brasil e os cinco países africanos de língua oficial portuguesa, o Acordo Ortográfico foi ratificado pela Assembleia da República a 16 de Maio do ano passado e promulgado pelo Presidente da República a 21 de Julho.

O Brasil foi o primeiro país a aplicar o Acordo, em Janeiro de 2009. Portugal decidiu a sua entrada em vigor a 1 de Janeiro de 2010, com um período de adaptação até 2016. Só Moçambique e Angola ainda não o ratificaram.

O PÚBLICO decidiu não adoptar o acordo para já.