Jogo no Estádio José Arcanjo, em Olhão.
Assistência: Cerca de 5000 espectadores.

Golos
1-0, por Castro, aos 2 minutos.
1-1, por Lito, aos 28' (grande penalidade).
2-1, por Toy, aos 36'.

Equipas:
Olhanense
Ventura, Miguel Garcia, Sandro, Anselmo, Carlos Fernandes, Rui Baião, Castro, Rui Duarte (Messi, 90), Ukra (Éder Baiano, 66), Rabiola (Tengarrinha, 13) e Toy.
(Suplentes: Bruno Veríssimo, Éder Baiano, Tengarrinha, Messi, Fábio, Zequinha e Paulo Sérgio).

Académica
Ricardo, Pedrinho, Luiz Nunes, Orlando, Emídio Rafael, Nuno Coelho, Cris, André Fontes (Licá, 43), Lito (Sougou, 71), Eder e João Ribeiro (Miguel Fidalgo, 61).
(Suplentes: Rui Nereu, Amoreirinha, Paulo Sérgio, Miguel Fidalgo, Licá, Sougou e Paulo Costa).

Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).
Amarelos: Sandro (27') e Tengarrinha (66').
Vermelhos: directo para Carlos Fernandes (10') e Rui Baião (62').

Liga

Olhanense vence mesmo a jogar com nove

O Olhanense venceu hoje a Académica, por 2-1, apesar de ter terminado com apenas nove unidades o jogo da quarta jornada da Liga principal de futebol, disputado em Olhão.

No regresso dos jogos do escalão maior do futebol nacional a Olhão, a equipa algarvia conseguiu assegurar a primeira vitória da época, aguentando com espírito de sacrifício uma parte final em que actuou meia hora com nove unidades.

Castro marcou logo no segundo minuto para os algarvios, Lito respondeu de grande penalidade aos 26 e Toy assinou o segundo golo dos locais aos 36, vantagem que a equipa de Jorge Costa segurou até final do jogo, apesar da pressão academista.

Com este triunfo, o Olhanense passou a somar seis pontos e subiu provisoriamente ao sexto posto, enquanto a Académica permanece em antepenúltimo lugar, com apenas um ponto.

Com uma entrada fulgurante, o Olhanense colocou-se em vantagem logo ao segundo minuto de jogo: Carlos Fernandes cruzou da esquerda, o guarda-redes Ricardo largou a bola e Castro aproveitou para emendar em plena pequena área.

Aos 10 minutos, o árbitro Artur Soares Dias decidiu expulsar o lateral Carlos Fernandes, por alegada agressão a Éder, o que contribuiu para suster a dinâmica dos algarvios.

Jorge Costa prescindiu de uma unidade ofensiva, Rabiola, e entregou a Tengarrinha o adaptado papel de lateral esquerdo, fazendo recuar o seu conjunto face ao maior domínio da Académica.

Apesar desse ascendente, os "estudantes" não conseguiam criar oportunidades, até que, aos 28 minutos, o juiz assinalou mão de Sandro na grande área e Lito não desperdiçou, convertendo a respectiva grande penalidade e empatando a partida.

Aos 36 minutos, a equipa da casa respondeu com o segundo golo: Ukra serviu Toy entre os centrais e, com alguma sorte, o avançado cabo-verdiano aproveitou um ressalto para marcar.

O jogo ganhou novo ânimo e as ocasiões sucederam-se, com Ricardo a brilhar em remates de Ukra, aos 39 e 50 minutos, e João Ribeiro e Lito a responderem aos 46 e 48, em tiros sustidos por Ventura.

O árbitro da partida, muito contestado pelos locais, voltou a ser protagonista aos 62 minutos, expulsando Rui Baião por agressão num lance de aparente jogo perigoso, em que o "algarvio" colocou o pé alto e Lito a cabeça.

Com menos duas unidades, o técnico do Olhanense colocou em campo um central, Éder Baiano, e fez recuar a sua equipa, entregando as "rédeas" do encontro aos "estudantes".

Apesar da intensa pressão dos forasteiros, os algarvios aguentaram estoicamente até final e a Académica só criou uma grande oportunidade, mas Eder cabeceou ao poste, aos 72 minutos.