Crítica

Há vida além do computador

A nova animação de Miyazaki evita com total rigor o maniqueísmo da imensa maioria das histórias infantis e o cansaço da animação digital robotizada.

"Ponyo à Beira-Mar", livremente inspirado em "A Pequena Sereia", de Hans Christian Andersen, é uma longa-metragem de animação assinada pelo nome prestigioso de Hayao Miyzaki, conhecido entre nós por dois enormes sucessos anteriores, "A Viagem de Chihiro" (2001) e "A Princesa Monokoke" (1997): Sosuke, um azougado rapaz que vive numa casa no topo de uma falésia com o pai, capitão de um navio, e a mãe, empregada num lar de idosos, encontra aprisionada uma criança-peixe vermelha, decidindo guardá-la num balde de praia verde. Fascinada pelo mundo dos humanos, a menina-peixe afronta o pai, poderoso feiticeiro, outrora humano, que a quer prender no fundo do mar, e regressa ao convívio do amigo, roubando o elixir da vida, e, com a ajuda da mãe, deusa das águas (uma espécie de deslumbrante Iemanjá) e das irmãs transformadas em gigantescas vagas, capazes de submergirem toda a aldeia, consegue alcançar os seus intentos.

br/>

Desenhado por uma extensa equipa de mais de trezentos desenhadores, com base na estética da aguarela, em cores pastel e com imensa energia visual, o filme evita com total rigor o maniqueísmo da imensa maioria das narrativas infantis e uma dimensão sado-masoquista predominante. Em vez disso, opta, dentro de uma extrema simplicidade de processos e de definição de personagens, por uma perspectiva ecológica, insistindo na harmonia entre a figuração humana e o meio ambiente, com o cuidado de preservar a acessibilidade dos mais novos, embora sem nunca cair na tentação da imbecilidade redutora: menos "adulto" do que "A Princesa Mononoke", menos rebuscado em termos de desenho do que "A Viagem de Chihiro", este "Ponyo" aspira a atingir um público-alvo, facilmente encantado com o lado feérico das transformações visuais (veja-se a fascinante configuração da mãe, entre a fada-madrinha e a rainha boa), próximo dos contos de fadas, mas suficientemente verosímil para nunca forçar a nota e desejar a alienação num mundo "irrealista". Sosuke é um rapazinho vulgar e o seu quotidiano torna-se facilmente identificável, embora contaminado pela magia da fábula, com ondas antropomórficas ou barcos de brinquedo que aumentam de tamanho e bolhas gigantes que permitem respirar debaixo de água.

Para os mais velhos (porque se trata com efeito de um filme para todos), valerá a pena alertar para a belíssima relação intrínseca com as estampas dos mestres japoneses (sobretudo Hokusai), integrando-as com inteligência num universo pictórico mais ambicioso: os navios metamorfoseiam-se em cidades luminosas, as estradas da costa em linhas curvas e serpentes gráficas, os mares em paisagens submarinas de sedutor mistério, em fusão com a terra em que os ecossistemas prosperam, a lua atinge proporções demenciais e as crianças aumentam e diminuem de tamanho, como se estivéssemos no universo alegórico do Swift de "As Viagens de Gulliver", pensado mais como sátira do que como produto para consumo infanto-juvenil. E, no entanto, a "mensagem" persiste: o triunfo da inocência infantil, do amor maternal (do amor em geral como valor indiscutível), do respeito pelos mais velhos, soerguidos das cadeiras de rodas, correndo, para ganharem uma nova vida autónoma (porque nos lembrámos de "Cocoon"?) e útil. Tudo sem ponta de demagogia, nem um olhar auto-complacente.

Mas regressemos a uma peculiar questão formal, cansados que estamos de uma animação digital e robotizada, sem alma e reproduzindo até ao infinito estereótipos de um confrangedor facilitismo: "Ponyo" opera, embora sem patéticos passadismos, um retorno a processos tradicionais e a todo um trabalho de combinação de cores e de efeitos manuais, transfigurando, inclusive, a relação directa com o fantástico, de cambiantes neo-românticas.

Claro que haveria outras interessantes leituras a sugerir, de cariz psicanalítico (a criação de um renovado inconsciente colectivo), de contornos autobiográficos (uma infância possivelmente decalcada a partir das memórias felizes do animador), mas o essencial passa pela afirmação de que ficção infantil não tem de (não deve) servir de trampolim para elaborados jogos de computador. Que melhor dizer?

Trailer