Escritor apela à insubmissão

José Saramago: "Não conheço nada mais estúpido que a esquerda"

Saramago falava na conferência “Lições e Mestres”, em Santilhana del Mar, no Norte de Espanha
Foto
Saramago falava na conferência “Lições e Mestres”, em Santilhana del Mar, no Norte de Espanha Enric Vives Rubio/PÚBLICO (arquivo)

A esquerda "deixou de ser esquerda" e tornou-se "estúpida", afirmou Prémio Nobel da Literatura José Saramago, que acusou também os governos de estarem a tornar-se "em comissários do poder económico".

"Já não há governos socialistas, ainda que tenham esse nome os partidos que estão no poder", afirmou hoje o escritor a respeito de executivos como o português e o italiano, citado pela agência EFE no último dia da conferência "Lições e Mestres", em Santilhana del Mar, no norte de Espanha.

"Antes gostávamos de dizer que a direita era estúpida, mas hoje em dia não conheço nada mais estúpido que a esquerda", afirmou o octogenário escritor e militante histórico do Partido Comunista Português.

Saramago foi um dos pensadores cuja obra foi focada na conferência, juntamente com as de Carlos Fuentes e Juan Goytisolo.

Fugindo ao tema literário, Saramago acabou por dedicar grande parte da sua intervenção aos problemas das democracias contemporâneas, que na sua opinião "não passam de plutocracias", e apelou à insubmissão da população, segundo relata a agência espanhola.

"O mundo é dirigido por organismos que não são democráticos, como o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio", acusou.

"É altura de protestar"

Para Saramago, "é altura de protestar, porque se nos deixamos levar pelos poderes que nos governam e não fazemos nada por contestá-los, pode dizer-se que merecemos o que temos".

"Estamos a chegar ao fim de uma civilização e aproximam-se tempos de obscuridade, o fascismo pode regressar; já não há muito tempo para mudar o mundo", afirmou José Saramago.

A obra do escritor português foi apresentada por Laura Restrepo, numa sessão que contou ainda com a presença da brasileira Nélida Pinhon e dos escritores Juan Goytisolo e Carlos Fuentes.

Saramago revelou que está a escrever um novo livro, sem adiantar pormenores.

O escritor português defendeu que não existem géneros, mas sim "espaços literários", que admitem de tudo ― ensaio, filosofia, ciência ou poesia ―, e expressou a sua admiração pelo checo Franz Kafka, "a grande figura literária do século XX".