Crítica

O Último Capítulo

Condenado a ser grande filme maldito, "O Último Capítulo" atravessa séculos em busca da vida eterna, colocando três casais (ou apenas três encarnações de um mesmo casal?) a confrontar as grandes questões da vida e da morte.

Por baixo das aspirações místicas, no entanto, esconde-se um melodrama de um romantismotranscendente e desesperado que quer ser a maior história de amor jamais filmada - não chega lá,mesmo que Darren Aronofsky confirme o seu inegável talento de estilista, filme com um virtuosismoquase ofensivo. Há muito que não víamos um filme como este, que ousa para lá do que se achariapossível, que se expõe no limite com uma candura que roça a loucura ou o visionarismo: "O Último Capítulo"impõe respeito, e não apenas pelo gesto. Ame-se ou odeie-se, mas não se lhe passe ao lado.

Sugerir correcção