Autoridade da Concorrência tem última palavra

TAP compra PGA-Portugália por 140 milhões de euros

A TAP passa a deter uma das melhores companhias europeias com destinos regionais, com forte presença na Europa central
Fotogaleria
A TAP passa a deter uma das melhores companhias europeias com destinos regionais, com forte presença na Europa central PÚBLICO (arquivo)
Fotogaleria

A TAP comprou hoje à Espírito Santo Internacional 99,81 por cento do capital da companhia de aviação PGA–Portugália por 140 milhões de euros.

A operação terá de passar ainda pelo crivo da Autoridade da Concorrência, já que o negócio transforma o mercado da aviação nacional num duopólio: apenas ficarão a operar no mercado regular a TAP e a companhia açoriana Sata internacional.

O comunicado refere que a PGA deverá manter "a identidade própria, a sua autonomia de gestão e também a normalidade das operações já programadas".

A TAP assegura que pretende obter desta concentração sinergias e a alteração de horários que irão beneficiar as duas companhias, em particular na ligação entre Lisboa e o Porto.

Fernando Pinto, administrador-delegado da TAP, classifica esta operação como "um passo estratégico para o desenvolvimento da TAP, permitindo uma melhor satisfação das necessidades dos passageiros e a dinamização dos principais centros de operações, a partir de Lisboa e, sobretudo, a partir do Porto".

"É com admiração que constato o facto de a PGA ter sido reconhecida internacionalmente, nos últimos cinco anos, como a melhor companhia aérea regional da Europa. Esta aquisição vai igualmente proporcionar à TAP uma nova dimensão, necessária para podermos competir mais equilibradamente com outras companhias estrangeiras", acrescenta o responsável máximo da TAP no mesmo comunicado.

Nos últimos anos houve várias tentativas de aproximação entre as duas companhias portuguesas, mas dificuldades de entendimento inviabilizaram o desejo mútuo de criar uma empresa de aviação em Portugal com maior dimensão.