Visita à missão portuguesa na Bósnia-Herzegovina

Cavaco Silva defende que as Forças Armadas são um investimento para o país

Cavaco Silva reiterou que irá levar "à letra e na prática" o conceito de cooperação estratégica com o Governo
Foto
Cavaco Silva reiterou que irá levar "à letra e na prática" o conceito de cooperação estratégica com o Governo Manuel de Almeida/Lusa

O Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu hoje que as Forças Armadas devem ser encaradas "como um investimento" face à importância que têm na afirmação externa do país.

"Temos que olhar para as nossas Forças Armadas como um investimento e não apenas como um dispêndio de dinheiros", disse o chefe de Estado, durante uma visita aos militares portugueses em missão na Bósnia-Herzegovina, ao serviço da Força da União Europeia (EUFOR).

Para Cavaco Silva, as missões externas em que participam militares portugueses "são um instrumento muito importante" da política externa de Portugal e podem até facilitar "a negociação internacional" que o país "tem que fazer na defesa dos seus interesses".

O Presidente da República considerou que a participação de forças portuguesas em missões externas não deve ser vista apenas à luz das restrições orçamentais que o país atravessa.

"Não gosto de me agarrar à dificuldade financeira para dizer que Portugal não pode participar em missões externas com as suas Forças Armadas", enfatizou, acrescentando que o país "tem compromissos internacionais e não pode deixar de respeitar esses compromissos, no âmbito das organizações de que faz parte".

"Portugal, para poder defender no plano internacional os seus interesses, não pode estar ausente (...) quando se trata de assegurar a paz e manter a segurança. A defesa do nosso próprio território não se faz nas nossas fronteiras, faz-se às vezes em locais bastante distantes", referiu.

Na sua primeira visita na dupla qualidade de Presidente da República e comandante supremo das Forças Armadas, Cavaco Silva vincou o seu " apreço pessoal e institucional" pelos militares envolvidos em missões de paz internacionais e a "importância que tem hoje" este tipo de envolvimento no plano internacional.

O chefe de Estado, que está pela primeira vez nesta zona do mundo, afirmou depois que privilegiará o "diálogo com o Governo", a audição das chefias militares e do Conselho Superior de Defesa Nacional na definição do envolvimento português em missões de paz internacionais.

Sobre os poderes atribuídos à figura de comandante supremo das Forças Armadas, inerente ao cargo presidencial, Cavaco Silva foi lacónico.

"Penso que não é altura de discutir matérias que constam da Constituição e da Lei de Defesa Nacional. Jurei cumprir e fazer cumprir a Constituição e é isso que farei", disse.

Cavaco Silva afirmou-se ainda empenhado em levar "à letra e na prática", nesta e noutras áreas, o conceito de cooperação estratégica com o Governo, simbolizado na presença ao seu lado nesta visita à Bósnia - e amanhã, ao Kosovo - do ministro da Defesa, Luís Amado.

"Darei sempre conhecimento de todas as minhas visitas ao Governo e terei sempre muito gosto de ser acompanhado por membros do Governo, acho que é assim que deve ser", disse Cavaco Silva.

O Presidente da República chegou de helicóptero a Camp Doboj, passou em revista as tropas portuguesas em parada e depôs uma coroa de flores junto ao monumento em memória dos soldados mortos ao serviço da EUFOR na Bósnia-Herzegovina.

Depois, assistiu a um exercício militar (demonstração de prontidão), visitou a enfermaria da base e participou num almoço com os militares, constituído por sopa de peixe, bacalhau com natas e um doce tradicional da região, baclava.

A meio da tarde, o Presidente da República parte para a capital do Kosovo, Pristina, onde estão aquartelados 307 militares portugueses, o mais numeroso contingente nacional em missão no exterior.