Depois da demissão de Margarida Blasco

Antero Luís à frente do SIS

Margarida Blasco ocupava o cargo há um ano e nove meses
Foto
Margarida Blasco ocupava o cargo há um ano e nove meses João Relvas/Lusa (arquivo)

O novo director do SIS será Antero Luís, o juiz-auxiliar do Tribunal da Relação do Porto, que anteontem cessou funções de porta-voz do Conselho Superior de Magistratura (CSM). Isto se o CSM autorizar.

O magistrado esteve nos últimos anos nas varas criminais da mesma cidade, nunca tendo exercido qualquer cargo fora da magistratura. A cessação de funções do CSM foi terça-feira justificada com a sua nomeação para a Relação. Isto numa altura em que Margarida Blasco ainda não tinha apresentado a demissão, embora o primeiro-ministro lhe tivesse dado como prazo-limite para o abandono da presidência do SIS, a sexta-feira.

Margarida Blasco, juíza desembargadora do Tribunal da Relação de Lisboa, manteve-se assim um ano e nove meses no cargo para onde foi nomeada por Durão Barroso. Blasco entregou anteontem a sua carta de demissão ao primeiro-ministro.

Antero Luís foi escolhido por Júlio Pereira, procurador-geral adjunto e actual director dos Serviços de Informação da República Portuguesa.

Segundo o PÚBLICO apurou, a demissão de Margarida Blasco também há muito que já era esperada, dada a sua pouca influência no controlo das informações.

Diversas pessoas contactadas pelo PÚBLICO garantem mesmo ter vindo a crescer o clima de tensão naquele organismo, nos últimos meses, fruto de uma liderança que muitos consideravam fraca e onde imperava algum litígio com Júlio Pereira.

Com esta substituição dá-se assim por completo o afastamento de todos os directores dos serviços de informação, nomeados pela maioria PSD/CDS.

O PÚBLICO tentou ouvir Margarida Blasco, o que se revelou impossível até ao fecho desta edição.