Alguns Números

No final de 2002, havia em Portugal 8,5 milhões de utilizadores de telemóveis; 6,6 milhões eram detentores de cartões pré-pagos
A taxa de penetração do serviço móvel no país atinge já os 82,5 por cento
Ao longo do ano passado, foram feitas nas redes móveis 5600 milhões de chamadas, o equivalente a quase dez mil milhões de minutos de tráfego
Em 2002 os portugueses enviaram dois mil milhões de mensagens escritas
Em 1989, quando surgiram os primeiros telemóveis no país, havia pouco mais de dois mil clientes
3 de Abril de 1973

Primeira chamada de telemóvel foi feita há 30 anos

O telemóvel veio para ficar e o número de utilizadores não pára de crescer
Foto
O telemóvel veio para ficar e o número de utilizadores não pára de crescer Rainer Jensen/AFP

No dia 3 de Abril de 1973, o telefone tocou nos Laboratórios Bell, o departamento de pesquisa da operadora de telecomunicações norte-americana AT&T. Joel Engel, um dos directores da empresa, levantou o auscultador e ouviu do outro lado da linha a voz do canadiano Martin Cooper, funcionário da rival Motorola. “Disse-lhe, da maneira mais educada possível, que estava a falar com ele de um celular, no meio da rua”, contou depois Cooper.

A primeira chamada de um telemóvel de que há registo nasceu na esquina de uma rua de Manhattan, Nova Iorque, há 30 anos. Nesse momento, Martin Cooper entrou para a história. Não apenas por ter sido o primeiro utilizador do telefone portátil, mas sobretudo por ter inventado o aparelho que viria a mudar a vida de milhões de cidadãos em todo o mundo.

Desde 1947 que os Laboratórios Bell procuravam desenvolver um sistema de comunicações móveis utilizando uma rede celular, com o intuito de, num primeiro momento, disponibilizar telefones para carros. A partir da década de 60, a Motorola entrou na corrida. Cooper e a sua equipa sempre se mostraram mais interessados em criar aparelhos que pudessem ser utilizados em qualquer lugar. “As pessoas querem falar com outras e têm que estar totalmente livres para poder fazê-lo. Quisemos construir um aparelho para provar que isso era possível”, explicou o “pai” do telemóvel, citado na edição “on-line” do jornal canadiano “The Globe and Mail”.

O primeiro telemóvel, que ficou conhecido como Dyna-Tac, foi construído em três meses. No topo de um edifício nova-iorquino, a equipa de Cooper instalou uma estação que viria a permitir ligações à rede fixa. A 3 de Abril de 1973, Cooper caminhou por Manhattan, com o aparelho colado à orelha. Muitos nova- iorquinos pararam, boquiabertos, “porque viam um tipo a falar ao telefone na rua”, recordou o engenheiro ao “Globe and Mail”. “Joel, estou a falar contigo de um verdadeiro telefone celular, enquanto desço uma rua de Nova Iorque”, disse Martin Cooper ao rival Engel.

O Dyna-Tac pesava mais de um quilo, tinha 25 centímetros de altura, seis de profundidade e quatro de largura. “Fiquei com o braço mais forte de tanto carregar o telefone”, confessou Cooper à revista brasileira “Negócios Exame”.

Mais de oito milhões de utilizadores em Portugal

Hoje tudo mudou: os aparelhos medem-se quase ao milímetro e o seu peso joga-se no campeonato das gramas. Os telemóveis são cada vez mais atraentes, têm cada vez mais funções e, sobretudo, são cada vez mais baratos. Mesmo assim, reportou a AFP, esta semana, no Dia das Mentiras, duas dezenas de jovens russos dispuseram- se a despir-se totalmente para conseguirem receber um portátil oferecido por uma companhia de serviço móvel.

Num artigo publicado a 1 de Fevereiro deste ano no “Globe and Mail”, Doug Saunders estima que haja em todo o mundo 1300 milhões de utilizadores de telefones portáteis. Há mais subscritores do serviço móvel na Ásia ( 432 milhões). Segue-se a Europa (392 milhões) e a América do Norte (205 milhões). A China é o país com mais utilizadores contabilizados: 120,6 milhões, em Julho de 2002.

Em Portugal, o telemóvel começou a implantar-se nos anos 90. Em 1989, estavam registados pouco mais de dois mil clientes do serviço móvel, que funcionava ainda através de uma rede analógica. À época, os telefones, quase sempre instalados no carro, estavam praticamente reservados à classe política e empresarial — os preços dos aparelhos variavam entre os 3000 e os 5000 euros.

Em 1991, quando a TMN entrou no mercado, estavam já contabilizados 12.600 assinantes. Um ano depois, a Telecel começou a operar e nessa altura foram recenseados 37.300. Com o aumento de utilizadores de telemóvel deu-se o abaixamento dos preços: em 1993, surgiu no mercado o primeiro aparelho disponível a menos de 500 euros.

A partir daí, foi sempre a subir. Quando apareceu o terceiro operador, a Optimus, em 1998, havia já em Portugal mais de três milhões de utilizadores. A concorrência obrigou as operadoras a descer os preços e a oferecer novos produtos. Em 2000, quando já mais de seis milhões de telemóveis tocavam no país, começou a ser possível aceder à Internet através do portátil e o serviço de mensagens escritas (SMS) apaixonou os portugueses.

Os dados mais recentes da Autoridade Nacional de Comunicações não deixam margem para dúvidas: o número de utilizadores não pára de crescer. No final de 2002, mais de 8,5 milhões de portugueses recorriam ao serviço móvel — mais sete por cento do que no ano anterior. O telemóvel veio mesmo para ficar.