Galardão foi atribuído pela primeira vez a um autor estrangeiro

Sophia de Mello Breyner distinguida com o Prémio Max Jacob

Em 1999, a poetisa portuguesa foi distinguida com o Prémio Pessoa
Foto
Em 1999, a poetisa portuguesa foi distinguida com o Prémio Pessoa DR

A poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen foi distinguida com o Prémio Max Jacob "Poesia Estrangeira 2001", prestigiado galardão francês que pela primeira vez foi atribuído a um autor de outra nacionalidade.

Criado em 1951 - sete anos depois da morte do poeta Max Jacob -, trata-se de um prémio anual destinado a "obras sólidas e de inspiração elevada", que já consagrou os mais importantes nomes franceses.Na presente edição, o prémio foi excepcionalmente alargado a obras de língua estrangeira, noticia a Lusa.
Por unanimidade, o júri premiou a poetisa portuguesa pelo livro "Malgré les ruines et la mort", uma antologia de poemas seus publicada em Paris no último trimestre de 2000, pela editora "La Différence".
Fonte da editora Caminho, responsável pela publicação integral da obra da poetisa em Portugal, afirmou que a antologia corresponde a uma selecção de poemas de Sophia
de Mello Breyner Andresen feita pelo editor francês.
O título teve uma excelente receptividade junto do público e foi elogiosamente saudado pela crítica especializada.
O galardão, que foi anunciado sexta-feira última em Paris, será entregue na capital francesa no próximo dia 6, em cerimónia a realizar no Espaço Paul Ricard.
A filha da poetisa, Isabel Sousa Tavares, disse que Sophia de Mello Breyner recebeu a notícia do prémio com alegria e indicou que se faria representar pelo seu editor francês na sessão de entrega.
Em 1999, a poetisa e escritora de contos infantis, que entre outras obras publicou "Musa", "Nome das Coisas", "A Menina do Mar" e "O Cavaleiro da Dinamarca", recebeu o Prémio Pessoa.