MP impede Francisco J. Marques e advogados do FC Porto de acederem a escutas

Elementos dos “dragões” estiveram sob escuta em processo de Rui Pinto, mas não foi encontrada matéria relevante. MP diz não existir transcrição, negando pedidos de acesso às comunicações recolhidas.

Foto
Director de Comunicação do FC Porto impedido de aceder a escutas pelo Ministério Público Inês Fernandes
Ouça este artigo
00:00
03:54

A notícia de escutas a elementos ligados ao FC Porto foi dada em primeira mão pelo PÚBLICO em Agosto de 2023, mas, seis meses depois, os visados ainda não conseguiram perceber quais as conversas “ouvidas” pelo Ministério Público. Sabem apenas que não foram encontrados indícios de crime ou outra matéria relevante para a investigação a Rui Pinto, vendo negados pelo Ministério Público (MP) os pedidos de acesso aos suportes áudio em que ficaram gravadas as escutas. Além de Francisco J. Marques, também Nuno Brandão e Inês Magalhães, advogados que representam o clube, tiveram as comunicações vigiadas.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Ler 7 comentários