As imagens que mostram os glaciares da Antárctida a desaparecer no mar

Expedição centrada no estudo dos efeitos das alterações climáticas globais envolveu a avaliação de dados recolhidos ao longo dos últimos três anos.

Vista geral de uma montanha coberta de gelo depois de o Instituto de Investigação Polar TUBTAK MAM ter efectuado uma investigação que mostra que as "cutículas" de gelo, do tamanho da Turquia, derreteram devido aos efeitos das alterações climáticas na Antárctida, que é descrita como o continente mais frio e seco do planeta Sebnem Coskun/Anadolu via Getty Images
Fotogaleria
Vista geral de uma montanha coberta de gelo depois de o Instituto de Investigação Polar TUBTAK MAM ter efectuado uma investigação que mostra que as "cutículas" de gelo, do tamanho da Turquia, derreteram devido aos efeitos das alterações climáticas na Antárctida, que é descrita como o continente mais frio e seco do planeta Sebnem Coskun/Anadolu via Getty Images

Uma equipa científica turca viajou, no âmbito da 8.ª Expedição Científica Nacional Antárctica, com o objectivo de explorar os potenciais riscos para o ecossistema das alterações climáticas e da poluição por microplásticos na ilha Horseshoe, na Península Antárctica.

Sob a presidência do Ministério da Indústria e da Tecnologia e com a coordenação do Instituto de Investigação Polar TUBITAK MAM, sediado na Turquia, os sete cientistas observaram alterações no vapor de água atmosférico, no gelo marinho e nos níveis de neve, atribuindo o aumento do vapor de água às alterações climáticas globais, refere a agência noticiosa turca Anadolu.

Os resultados iniciais das imagens obtidas por veículos aéreos não tripulados, ​na ilha Horseshoe, indicam uma diminuição média de 7 metros cúbicos nas áreas de neve e glaciares de aproximadamente 100 metros quadrados entre 2022 e 2023. 

Este degelo levou à formação de várias fendas e poças nos glaciares, libertando mais água para a atmosfera. Os cientistas alertam para o facto de que, se os glaciares continuarem a derreter a este ritmo, as alterações climáticas globais irão acelerar devido ao aumento das concentrações de vapor de água e de gases com efeito de estufa. A continuação do rápido aumento das alterações climáticas globais significa que os glaciares, que são fontes de água doce, irão derreter e desaparecer no mar.

Ao jornal turco Daily Sabah, o professor Fahri Karabulut, assistente de investigação na Universidade Técnica de Yıldız e participante da 8.ª Expedição Científica Nacional Antárctica, explicou que estavam a realizar estudos para revelar de forma quantitativa o degelo dos glaciares na Antárctida no âmbito do projecto que realizaram com investigadores búlgaros sob a liderança do professor Mahmut Oğuz Selbesoğlu.

Afirmando que utilizaram drones para as medições, Karabulut continuou: "Com as ortofotos obtidas após os voos, determinámos que houve uma diminuição de aproximadamente 10% na área dos glaciares. Para além desta perda de área, podemos determinar que as fendas se abriram, como se depreende dos glaciares. Calculando a abertura destas fendas, podemos determinar a perda anual e detectar que há uma deslocação. Para além da observação visual, também demonstramos numericamente o degelo. Como resultado deste estudo, podemos observar os resultados do aquecimento global, vendo-os e medindo-os de muito perto".