Voz

Era preciso um movimento pelo nudismo digital e medial, avatares e perfis queimados como os soutiens de 68.

Foto
Chat Bubble Sculpture, de Mary Jo McGonagle DR
Ouça este artigo
00:00
02:38

Luminoso, o poeta norte-americano Henry Longfellow chamou à voz o órgão da alma. Lúcido como sempre, Aristóteles definiu a voz como “um som particular feito por algo com alma”. Para ele, os animais tinham alma e voz. Mas, sonhando, também pedras e rios ganham alma e soam com voz. E em vigília tudo tem voz se escutarmos com a amabilidade de quem se deixa convocar. No adormecer, vozeios interiores misturam-se, solidários, com o vento, as ondas, os silvos. No islão, o Azan desdobra um tapete vocal até onde conseguir levar o chamamento. E a voz chama outras enquanto canta. A voz foi o primeiro instrumento musical da história. Até o silêncio tem voz. De tantas saudades de a ouvir, um homem abraça a voz que se calou para ele.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Comentar