Tumultos do bem, em palco e fora dele, no Salgado Faz Anos Fest

Este sábado cumpriu-se nova edição do Salgado Faz Anos Fest, a festa de aniversário que se transformou numa data inescapável da agenda musical do Porto.

Concerto dos Hetta Paulo Pimenta
Fotogaleria
Concerto dos Hetta Paulo Pimenta

Arriscamos dizer que será o mais personalizado, idiossincrático festival em Portugal. Trata-se, afinal, de um festival que é, na verdade, a celebração de um aniversário. Ou melhor, começou por ser isso mesmo, Luís Salgado, programador do Maus Hábitos, no Porto, a soprar velas na "sua" sala, tendo por companhia as bandas e os músicos que mais gostaria de ter perto de si naquele dia.

Foi assim há mais de uma década, quando se estreou o dia de aniversário feito festival, ou seja, O Salgado Faz Anos Fest, mas, daí para cá, a comemoração foi-se transformando, também, num dos pontos altos da programação da sala portuense, foi atraindo mais e mais público, do Porto e bem além, desejoso de cantar os parabéns em modo deliciosamente alucinado, sala a sala, brinde a brinde, concerto a concerto. A edição de 2024, este sábado, dia 27 de Janeiro, explica-o bem.

Luís Salgado aproveita a sua festa da melhor maneira, juntando nomes que se vêm destacando no cenário português, promessas já certezas, e juntando-lhes amigos de longa data, pensemos no Samuel Úria que, de 2014 para cá, só falhou uma edição, criando assim um mosaico vivíssimo de música a contaminar o público que, como habitualmente, lotou o Maus Hábitos e o transformou numa azáfama feliz de gente a preencher cada espaço, cada sala, cada pátio. 

Houve Ana Lua Caiano a transportar sozinha a tradição, com convicção e sabedoria, para o nosso presente, houve Samuel Úria e a viola campaniça d'O Gajo. Houve tumulto do bom, aquele tumulto que irrompe quando a distância entre palco e plateia se esbate e um concerto se transforma numa respiração comum, banda a canalizar energia para o público, público a alimentar a banda com fervor (felizmente) incontrolável. Guitarras ao alto, que se abra o mosh pit, venham a nós os crowd surfers, gritemos todos juntos, dancemos como é possível, e assim é que está correcto nesta festa feita catarse colectiva.

Está tudo nas fotos de Paulo Pimenta da noite de sábado: os magnificamente tumultuosos Hetta, a irresistível dança feita hipnose kraut'n'roll dos Maquina, a aceleração insaciável dos Cobrafuma, mestres thrash num novo século. Lentes apontadas em várias direcções, porque é disso que se trata na festa Salgado: estão todos convidados, estão todos comprometidos, a celebração é que o acontece no palco e é o que vemos fora dele enquanto a música acontece. 

Concerto dos Hetta
Concerto dos Hetta Paulo Pimenta
Concerto dos Hetta
Concerto dos Hetta Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta
Concerto dos Ideal Victim
Concerto dos Ideal Victim Paulo Pimenta