Azul

A beleza escondida dos flamingos nas salinas da ria de Aveiro

Fotografias mostram a beleza rara da ria de Aveiro. “Falar de salinas é falar de flamingos”, diz fotojornalista João Nunes da Silva.

Flamingos nas salinas de Aveiro João Nunes da Silva
Fotogaleria
Flamingos nas salinas de Aveiro João Nunes da Silva

Há mais de 30 anos que João Nunes da Silva visita a ria de Aveiro e as suas salinas para fotografar aquela paisagem e as aves que ali habitam. De há alguns anos para cá, o fotojornalista de natureza começou a observar um aumento do número de flamingos (Phoenicopterus roseus)​, que chegam no final do Verão para passar ali a temporada fria. João Nunes da Silva não perdeu a oportunidade de fotografar aquelas aves, conhecida pelas suas tonalidades rosas.

“Há uns anos deslocava-me a França e a Espanha para ver os flamingos e agora eles estavam aqui nas salinas”, relata ao PÚBLICO. “Era gratificante.” O trabalho está agora reunido num livro chamado Flamingos e o Sal da Ria de Aveiro, que tem fotografias tiradas entre 2019 e 2023.

A obra não só mostra várias imagens de flamingos, sozinhos, em grupo, a voar, a alimentarem-se, como apresenta paisagens da ria de Aveiro, das salinas e do próprio sal. Muitas delas obtidas a partir do céu, com a ajuda de drones.

“As salinas estão muito associadas aos flamingos, falar de salinas é falar de flamingos”, diz o fotógrafo, justificando não só a selecção das fotografias que surgem no livro, mas também o próprio título da obra. “Os flamingos em todo o mundo usam as salinas como locais de nidificação”, acrescenta. Além disso, “o sal é uma imagem de marca da ria de Aveiro”.

João Nunes da Silva mora no Porto, nasceu em Lisboa, mas Aveiro e a sua ria estiveram presentes na sua vida desde pequeno porque tinha familiares naquela cidade. “Devo muito à ria de Aveiro o facto de ser fotojornalista. Foi lá que comecei a fotografar e a fazer a exposições”, revela. “Talvez por isso, inconscientemente, esta relação emocional foi o que me fez fotografar os flamingos na ria”, acrescenta o autor, que já produziu outros quatro livros de fotografia.

Mas o livro é também uma forma de mostrar a importância da conservação dos flamingos. O fotojornalista explica que há umas décadas os flamingos em Portugal encontravam-se apenas nos estuários do Tejo, do Sado e na ria Formosa, no Algarve. Para ver flamingos em grande quantidade, João Nunes da Silva foi a outros países visitar locais como Doñana, em Espanha, e Camarga, na França.

“Desde jovem que tenho a paixão da ornitologia. O fascínio que os flamingos sempre causaram a muitas pessoas também se ficou a dever muito à raridade deles em Portugal”, defende. Hoje, o cenário é muito diferente. “A expansão dos flamingos está ligada à conservação da espécie. Como se têm expandido, vão encontrar novos lugares.”

Através das anilhas que muitos flamingos carregam é possível detectar a origem dos animais avistados na ria. Há aves que vieram de Doñana, mas outras migraram de locais mais distantes, como a Sardenha e a Turquia.

No entanto, eventos de nidificação em Portugal são raros. Na ria de Aveiro, a espécie não constrói ninhos para ter as suas crias. As salinas artesanais como a da ria de Aveiro são pequenas e esta ave necessita de grandes salinas e tranquilidade para nidificar, segundo o fotojornalista.

Mas o último capítulo do livro mostra um evento inédito ocorrido no Verão de 2021, quando nasceram 550 crias de flamingos na Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António. “De modo a garantir o sucesso desta nidificação, foi assegurada uma estreita colaboração entre o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas [ICNF] e a empresa proprietária das salinas”, lê-se no texto que introduz o capítulo do livro.

O fotojornalista visitou a reserva nesse Verão. A partir das suas fotografias, é possível observar as centenas de crias cinzentas acumuladas no meio da água do sapal. “Este ano [último] já não se repetiu [a nidificação em Castro Marim]. Os flamingos continuam a ser uma espécie vulnerável à perturbação”, diz João Nunes da Silva.

A obra vai ser apresentado a 15 de Abril no ObservaRia, um evento bianual organizado pela Câmara Municipal de Estarreja para “dar a conhecer o território e valores naturais” do conselho, segundo o site do evento. Quem quiser comprar o livro, pode encomendá-lo a partir do site do fotógrafo, já que os exemplares não vão estar disponíveis nas livrarias.