Dom Ruinart é luxo, é ciência portuguesa e uma coreografia quase perfeita

A Maison Ruinart substitui as caricas por rolhas de cortiça no processo de estágio dos seus champanhes ultra premium. Raramente nos ocorre, mas o luxo francês não existiria sem o montado português.

Foto
Só sobreiros com mais de 43 anos podem dar cortiça para as rolhas exigidas pela Ruinart Raul Cabrera/para a Dom Ruinart

Comecemos com uma adivinha. Onde está a diferença entre um vinho icónico francês e outro vinho icónico produzido em qualquer parte do mundo? Na qualidade? Não. Se são icónicos, a qualidade é um axioma. A diferença está na narrativa construída para o lançamento do vinho. Se é certo que qualquer lançamento de vinhos premium é um momento cuidado em qualquer país, ninguém faz isso tão bem como as grandes casas francesas.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários