Cass McCombs agora, ainda indispensável

O novo álbum de um dos maiores cantautores americanos do nosso tempo é um retrato livre, sem filtro, expressionista, do tempo que atravessamos.

Foto

No último álbum, Tip of the Sphere (2019), Cass McCombs cantava que reencarnara numa coisa qualquer que em nada se parecia com o homem que fora antes. McCombs não mentiu verdadeiramente. Não mentiu certamente na verdade da personagem que habitava a canção. Não mentiu, também, porque, ao longo de duas décadas, se foi tornando novo a cada novo disco. Não através de metamorfoses radicais, à Bowie, mas pela forma como acrescenta novas camadas sonoras e aborda outras formas de expressão em canção — do denso psicadelismo rock de Dropping the writ ao country recontextualizado de Catacombs, da soul fúnebre do inultrapassável Wit’s End à vasta panorâmica sobre a Americana de Big Wheel and Others. Contribuiu para isso, de forma decisiva, o seu desconforto com o trabalho em estúdio, com todo o labor posto na fixação definitiva de uma canção e a pressão criativa implicada.

Sugerir correcção
Comentar