Paul Schrader, cronista dos setentas

Os seus dois filmes mais recentes — First Reformed (2017) e The Card Counter (2021) — tiveram a unanimidade da crítica e do público do cinema adulto. Alberto Barbera, director do Festival de Veneza, decidiu dar-lhe o Leão de Ouro de carreira, o que vai acontecer no Lido, na próxima semana. É uma boa desculpa, se isso fosse preciso, para regressar aos começos de Paul Schrader, aos argumentos que escreveu antes da sua primeira realização, Blue Collar (1978).

Foto
A proximidade dos anti-heróis criados por Schrader

Num bar de Tóquio ouve-se uma canção: um yakuza paga as suas dividas… um yakuza cumpre o seu dever…um homem sem dívidas…um homem sem deveres não é um homem. No final da sequência, enquanto Robert Mitchum, protagonista, sai para a rua, ainda assistimos ao cantarolar por uma pequena plateia de japoneses de uma versão de My Darling Clementine.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários