O mistério adensa-se: o que matou cem toneladas de peixe num rio do centro da Europa?

Ninguém sabe. Laboratório polaco não encontrou quaisquer substâncias tóxicas nas águas onde milhões de peixes foram encontrados sem vida, no rio que separa a Alemanha da Polónia.

Peixe morto é retirado do rio Oder, junto à margem que banha Krajnik Dolny, Polónia, Agosto de 2022 LISI NIESNER/REUTERS
Fotogaleria
Peixe morto é retirado do rio Oder, junto à margem que banha Krajnik Dolny, Polónia, Agosto de 2022 LISI NIESNER/REUTERS

Os banhos estão interditos no rio Oder, ao longo de toda a margem alemã e polaca, após o aparecimento de milhões de peixes mortos a flutuar nas águas. A causa de morte das 100 toneladas de animais continua por determinar quase uma semana após o incidente. Cientistas polacos não encontraram quaisquer vestígios de substâncias tóxicas nas águas, apenas uma elevada concentração de sal que não poderá estar na origem desta catástrofe ambiental.

Conservacionistas temem que este episódio de morte em massa possa provocar um desequilíbrio grave no ecossistema em torno daquele curso de água. "Iremos tentar perceber como a população de aves se irá comportar e o que acontecerá aos guaxinins e lontras [que dependem das 40 espécies de peixe ali radicadas para garantir a sua sobrevivência]", disse Karina Dörk, administradora do distrito de Uckermark, ao jornal alemão Tagesspiegel. "Esta catástrofe ficará connosco durante muitos anos."

Cerca de 300 bombeiros, 200 agentes da polícia e 200 membros das Forças Armadas polacas foram destacados com o objectivo retirar os animais mortos do caudal do Oder, que conferem ao local "um cheiro nauseabundo", de acordo com uma testemunha entrevistada pelo jornal alemão Deutche Welle (DW). Quem reside junto às duas margens do rio, na Alemanha e na Polónia, teme a contaminação dos solos circundantes. "Temos um poço próximo do rio e não sabemos se podemos consumir aquela água", conta um residente à DW. "O rio Oder é parte da nossa casa e agora está arruinado. Isso deixa-me muito triste."

O governo polaco suspeita da ocorrência de descargas industriais tóxicas e oferece uma recompensa de 210 mil euros a quem "ajudar a encontrar o responsável pelo desastre ambiental". O primeiro-ministro Mateusz Morawiecki disse, durante a passada semana, que "provavelmente enormes quantidades de resíduos tóxicos foram libertados no rio" e que o responsável "terá conhecimento do risco e consequências" dessa descarga. O baixo caudal do rio e as temperaturas elevadas poderão ter contribuído para o agravamento dos efeitos dessas descargas sobre as populações de peixes do Oder.

Apesar das suspeitas, a causa está há cerca de uma semana por determinar. Amostras das águas do rio foram enviadas para laboratórios da República Checa, Países Baixos e Inglaterra, cujos resultados não foram ainda divulgados.

Peixes mortos no rio Oder, na fronteira entre a Alemanha e a Polónia, em Brieskow-Finkenheerd, Frankfurt, Amelanha, Agosto de 2022.
Peixes mortos no rio Oder, na fronteira entre a Alemanha e a Polónia, em Brieskow-Finkenheerd, Frankfurt, Amelanha, Agosto de 2022. ANNEGRET HILSE/REUTERS
Um cais com a instrução "não entrar", junto ao rio Oder, em Kostrzyn nad Odra, Polónia, Agosto de 2022
Um cais com a instrução "não entrar", junto ao rio Oder, em Kostrzyn nad Odra, Polónia, Agosto de 2022 LISI NIESNER/REUTERS