O que o mar uniu, as fronteiras do Homem não podem separar

Têm uma identidade marítima comum e são território de vidas onde as fronteiras se fizeram invisíveis. As rivalidades, os afectos e as subtilezas do “tripé” Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Matosinhos deram à costa um livro. Eis os Rostos da Maré

Foto
António e Maria de Lurdes casaram-se nas Caxinas e foram unidos pelo mar, que o obrigou, um dia, a arribar em Leixões, onde ela vivia Olívia da Silva, estúdio ESMAD, P. Porto

A mágoa de Acácio Fortunato encontrou-se com a angústia de Abel Coentrão. O primeiro, homem de 95 anos, lamentava o esquecimento de uma vida amarrada ao mar; o segundo, na altura com 40, herdeiro desses genes à beira-mar gerados, recolhia memórias como a dele, numa corrida contra os anúncios de necrologia, temendo não ter velocidade para salvar todas as histórias de um possível esquecimento. Acácio “Xena” queixava-se, curiosamente, a quem há muito havia percebido que a compreensão da História e modos de vida das comunidades não se faz sem as histórias das “pessoas simples”. Queixava-se a quem, naquela altura, lançava as redes para a criação de uma associação cultural, a Bind’ó Peixe, empenhada em transformar relatos de vidas como a desse nonagenário num instrumento de conhecimento e valorização da cultura marítima.

Sugerir correcção
Comentar