Sobrecarregados, esgotados e com medo de atropelamentos. Assim estão os maquinistas portugueses

Dois estudos apresentados esta quinta-feira pelo Sindicato dos Maquinistas apontam para uma degradação das condições de trabalho, com os consequentes riscos para a segurança.

Foto
Algumas regiões do país nunca recebem material motor novo Nuno Ferreira Santos

Sobrecarregados por horas extraordinárias e escalas cansativas, sem tempo para a família, com medo de falhar e traumatizados por acidentes graves em que estiveram envolvidos, nomeadamente, atropelamentos. O retrato dos maquinistas ferroviários portugueses, traçado por dois estudos relacionados com a sua qualidade de vida e os factores de risco associados à profissão, é preocupante. Ouvidos directamente, num conjunto de reuniões com grupos focais, eles apontam as escalas rotativas de trabalho e a má qualidade do material que operam como os principais factores de desgaste.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários