Earl Sweatshirt: menos riscos, mais covid

SICK! não fica na memória como o excelente Some Rap Songs, mas é um regresso inspirado q.b. de um rapper talentoso a tentar descodificar estes tempos pandémicos e crescer psicologicamente.

Foto
Este já não é o Earl Sweatshirt emocionalmente desequilibrado do início da década passada. Este é um Earl Sweatshirt com vida nova nos braços e uma esperança renovada

Há muitas coisas que SICK!, o quarto longa-duração de Earl Sweatshirt — que, como I Don’t Like Shit, I Don’t Go Outside, de 2015, e Some Rap Songs, de 2018, não é tão “longo” assim —, não é. Não é, por exemplo, a experiência transformadora que foi Some Rap Songs, álbum que, aproximando o seu hip-hop denso e introspectivo de uma abordagem lo-fi — ancorada, graças a uma criteriosa escolha de samples, no jazz experimental —, firmou o outrora prodígio dos Odd Future (colectivo que “revelou” talentos como Tyler, the Creator, a cantora Syd e Frank Ocean, por exemplo) como porventura o mais aventureiro dos rappers com a sua visibilidade. As novas faixas estão mais polidas, por vezes mais próximas do trap (não que a envolvente claustrofobia de Some Rap Songs tenha desaparecido por completo), quiçá mais acessíveis. Criativamente, desceu-se um degrau. Mas o homem nascido Thebe Neruda Kgositsile continua a saber rimar.

Sugerir correcção
Comentar