Três militares condenados e 16 absolvidos cinco anos depois das mortes nos Comandos

Dois jovens morreram em resultado da Prova Zero no primeiro dia do curso 127 dos Comandos. O julgamento de 19 militares, entre os quais um tenente-coronel e dois capitães, terminou esta segunda-feira com três penas suspensas que não vão além dos anos de prisão.

forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
O julgamento iniciado em 2018 terminou com a leitura da sentença no Campus da Justiça Daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
O tenente-coronel Mário Maia e o advogado Alexandre Lafayette à entrada da sessão Daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
Dezasseis arguidos foram absolvidos de todos os crimes de que vinham acusados Daniel rocha
forcas-armadas,militares,sociedade,ministerio-publico,justica,defesa,
Fotogaleria
O pai de Dylan da Silva não esconde o desalento. Nem a mãe de Dylan nem os pais de Hugo Abreu estiveram presentes Daniel rocha
,Migos
Fotogaleria
Os advogados Miguel Santos Pereira e Ricardo Sá Fernandes vão recorrer da decisão em representação dos pais de Hugo Abreu e Dylan da Silva Daniel rocha

Quando, em Junho de 2017, 19 militares foram acusados de abuso de autoridade por ofensa à integridade física de dezenas de recrutas no curso 127 dos Comandos, os advogados de defesa contestaram o facto de esta ser uma acusação por crimes previstos no Código de Justiça Militar. Se condenados, teriam penas mais graves do que se o fossem por ofensas previstas no Código Penal.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários