“Devo esperar até ao último minuto”, diz Marcelo sobre aprovação do Orçamento

Presidente insiste estar a trabalhar no cenário de não haver chumbo do OE.

Foto
Presidente trabalha no cenário de passagem do Orçamento LUSA/RODRIGO ANTUNES

“Devo esperar até ao último minuto”, disse na tarde deste sábado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, referindo-se às negociações do Governo para a aprovação do Orçamento de Estado de 2022.

À margem das comemorações dos 75 anos do Aeroclube de Torres Vedras, e horas depois de o Bloco de Esquerda ter anunciado que se nada mudar votará contra, Marcelo reiterou qual é o seu espírito. “Trabalho no cenário do Orçamento do Estado passar. Se passasse poupava muitos custos, problemas, algumas preocupações, vamos esperar”, disse, em declarações transmitidas pela SIC Notícias. 

Sobre a disponibilidade do primeiro-ministro, António Costa, continuar em funções mesmo se o Orçamento fosse chumbado nesta quarta-feira, no Parlamento, o Presidente esclareceu. “Uma coisa é o Governo continuar em funções, outra coisa é a Assembleia da República ser dissolvida, para já nenhuma delas está no meu espírito”, garantiu.

Nesta sexta-feira, em Londres, onde foi visitar uma exposição retrospectiva de Paula Rego, o Presidente da República já manifestara que só pensava no cenário de viabilização do Orçamento e alvitrou, mesmo, uma data para a definição da situação. “Segunda ou terça-feira”, admitiu.

Ou seja, já então se referia ao “último minuto”, sendo que nesta segunda-feira, o PCP que também reuniu este sábado em São Bento com o primeiro-ministro, António Costa, comunica em conferência de imprensa a sua posição, depois da reunião, no domingo, do Comité Central.