Uma mesquita de madeira, uma ponte pedonal vertiginosa ou um prédio polémico são os finalistas do Stirling Prize

Prémio para a nova arquitectura britânica tem seis candidatos, revelados na madrugada desta quinta-feira.

Foto
A ponte pedonal do castelo Tintagel, na Cornualha David Levene

O Royal Institute of British Architects anunciou os finalistas para o RIBA Stirling Prize que premeia anualmente a nova arquitectura construída no Reino Unido e os seis projectos vão da habitação ao edificado cultural ou religioso e são assinados pelos ateliers Carmody Groarke, Grafton Architects, Groupwork + Amin Taha Architects, Stanton Williams, Marks Barfield Architects e William Matthews Architects. Uma mesquita de madeira, um prédio polémico no centro de Londres ou um edifício universitário em que não há barreiras, bem como uma vertiginosa ponte pedonal nas escarpas da Cornualha são alguns dos nomeados para o prestigiado galardão.

No passado, o Stirling Prize já distinguiu habitação social (pela primeira vez, em 2019, num projecto de atelier Mikhail & Annalie Riches, com Cathy Hawley em Norwich) ou grandes projectos como a sede europeia da Bloomberg, no centro de Londres, (dos célebre Foster + Partners, distinguidos em 2018). O prémio que tem o nome do arquitecto britânico Sir James Frazer Stirling (1926-1992) tanto pode destacar num ano arquitectos estrela como David Chipperfield (2007) ou Zaha Hadid (2010) quanto nomes menos conhecidos do grande público mas cujos contributos revolucionam obras até mesmo ancestrais, como um castelo do século XII. As suas categorias vão do regional ao internacional, mas tanto o prémio britânico quanto o global têm o mesmo prestígio e a atenção do sector.

Foto
A mesquita de Cambridge Morley von Sternberg

Este ano e para a nova arquitectura britânica, o RIBA seleccionou um “grupo excitante” de projectos, nas palavras da revista Wallpaper, que incluem uma “fascinante mesquita de madeira em Cambridge”, num elogio do crítico de arquitectura do diário britânico The Guardian, Oliver Wainwright, por exemplo. Comecemos por ela, pela Mesquita Central de Cambridge, assinada pelo atelier Marks Barfield Architects (autores da roda gigante que marca o horizonte de Londres, o London Eye), e que já foi profusamente premiada pelo RIBA noutros galardões locais.

Foto
Ponte pedonal do Castelo Tintagel Alan Crow

Inserida numa zona residencial, tem capacidade para cerca de mil fiéis e o júri elogia os materiais escolhidos bem como o programa que associa a crença no papel do ser humano de protector da natureza. É, para os especialistas, a favorita. “A Mesquita Central de Cambridge demonstra como a arquitectura pode incorporar tradições e filosofias religiosas e culturais e ao mesmo tempo utilizar materiais sustentáveis e contemporâneos”, diz o júri no site do prémio.

Mas a shortlist inclui também a ponte pedonal do castelo Tintagel, assinada pela parceria Ney & Partners e William Matthews Associates, que custou cinco milhões de libras para construir e não tem qualquer sustentação salvo no início e no final da garganta de 58 metros de profundidade que atravessa, juntando madeira de carvalho e ardósia da Cornualha. Tornou um castelo apenas acessível através de íngremes degraus a todos que agora a podem atravessar e “dá a agradável sensação de caminhar sobre uma caixa de chocolates After Eight sobre as ondas a bater”, como descreve Wainwright.

Foto
Town House da Universidade de Kingston Ed Reeve

Mais convencionais mas nem por isso pouco especiais são os projectos de habitação Key Worker Housing, em Eddington, Cambridge, pelo atelier Stanton Williams, que criam pátios interiores por entre edifícios rectangulares e apartamentos de baixa altura, e cuja nomeação é em parte vista como herdeira do prémio de 2019 para habitação social, ou a Town House da Kingston University, em Londres, assinada pelos Grafton Architects (detentores do ainda mais prestigiado prémio Pritzker). Esta distingue-se pela ausência de barreiras para a rua e pela acessibilidade não só a alunos, professores e trabalhadores da faculdade, mas também ao grande público. Custou 50 milhões de libras a erguer e é um centro estudantil em que coabitam uma biblioteca e um estúdio de dança.

Foto
Complexo Key Worker Housing Jack Hobhouse

Também em Londres, um projecto de 2017 é destacado pelo júri: a 15 Clerkenwell Close, de Groupwork + Amin Taha Architects, usa vigas e colunas estruturais de calcário num edifício que é “corajoso, ambicioso, altamente inovador e à medida, em que os riscos corridos valeram a pena, resultando numa obra de arquitectura verdadeiramente imaginativa, intrigante e espantosa”, diz o mesmo júri. Os autores garantem que a opção pelo calcário, e o facto de este se mostrar na fachada em favos rectangulares com diferentes rostos, rasgado, raspado ou mais liso, é mais eficiente em termos ambientais. As plantas começam a cobrir algumas das colunas e as autoridades locais chegaram a tentar demoli-lo por o considerarem “feio”.

15 Clerkenwell Tim Soar
Tim Soar
Fotogaleria
Tim Soar

Um museu na zona do Lake District, uma zona balnear britânica, é o derradeiro nomeado. O Windermere Jetty Museum, de Carmody Groarke, é dedicado aos barcos e ergueu-se sobre outra estrutura, um outro museu lacustre. São barracões de metal negro (na verdade cobre oxidado) e madeira de abeto de Douglas, e custou 20 milhões de libras a construir.

Windermere Museum carmody groarke
Fotogaleria
carmody groarke

O vencedor será conhecido a 14 de Outubro.