Uma cria de urso foi atropelada e a mãe chorou de tristeza ao seu lado

No Parque Nacional Yosemite, na Califórnia, Estados Unidos, uma chamada para retirar uma cria de urso morta de uma estrada movimentada pôs um guarda-florestal frente a frente com uma mãe ursa angustiada. Desde 1995, mais de 400 ursos já morreram atropelados no local.

Foto
Cria de urso-negro em cativeiro Andrew Boyers/Reuters

Um guarda-florestal não identificado do Parque Nacional Yosemite, na Califórnia, Estados Unidos, partilhou no Facebook, na semana passada, como um dia típico se tornou no momento em que testemunhou uma ursa a lamentar a morte da sua cria.

A 16 de Julho, a publicação do guarda-florestal dizia que as chamadas relativas a mortes de ursos provocadas por veículos chegam frequentemente e que esta tarefa particularmente sombria do trabalho se tornou habitual. “Infelizmente, tornou-se rotina”, disse o guarda-florestal. “Registo as coordenadas no meu telemóvel, reúno o equipamento de que possa precisar e dirijo-me ao local.”

Os carros que aceleram ao longo das estradas do Parque Nacional de Yosemite já atingiram mais de 400 ursos desde 1995, de acordo com o grupo Keep Bears Wild. Em 2020, mais de dez ursos foram atropelados por carros.

O guarda-florestal tirou uma fotografia da ursa em profundo pesar para que as pessoas pudessem ver a “triste realidade por detrás de cada um destes números”. O profissional chegou ao local várias horas após o telefonema e procurou vestígios de sangue enquanto os carros passavam a correr. "Não é para isto que nenhum de nós se inscreve, mas faz parte do trabalho”, escreveu o guarda-florestal, tendo-se esquecido já de quantas vezes tal tarefa surgiu.

Um destroço do carro levou-o até um aterro, onde uma pequena cria de urso-negro estava deitada sem vida, em posição fetal. O serviço do Parque Nacional afirma que a maioria dos ursos-negros de Yosemite são, na realidade, castanhos. A cria era uma fêmea com não mais de seis meses de idade.

À medida que ia cumprindo a sua tarefa, um urso adulto espreitava por perto, observando. O guarda-florestal atirou uma pedra a uma árvore para afugentar o animal até que este se afastasse, escreveu o próprio. Retomou, então, a tarefa, pensando que o urso poderia estar por perto para se alimentar dos restos mortais ou apenas porque o local era uma área comum de travessia.

Depois, um “grunhido profundo, mas de som suave”, soou atrás de si. O som era uma vocalização que as ursas fêmeas fazem para chamar os seus filhotes, identificou o guarda-florestal. “Viro-me, olho na sua direcção e lá está ela, a mesma ursa de antes a olhar atentamente para mim. Não é uma coincidência”, lê-se na sua partilha no Facebook. “Consigo sentir a indiferença a escorrer pelo meu corpo. Este urso é a mãe, ela nunca deixou a sua cria.”

A fêmea tinha estado à espera, provavelmente, e a chamar a cria durante pelo menos seis horas até à chegada do guarda-florestal. Cada som que ela soltava perante o bebé crescia com uma agonia audível, relatou o mesmo. “Olho para trás na esperança de que ela também respondesse ao seu chamamento, mas claro, nada”, escreveu. “Agora aqui estou eu, de pé entre uma mãe em luto e o seu filho. Sinto-me um monstro.”

O post do guarda-florestal avisou os visitantes para seguirem o limite de velocidade e estarem mais atentos quando visitassem os habitats dos animais. O Serviço Nacional de Parques não respondeu a um pedido de comentário.

Os ursos-negros são geralmente criaturas silenciosas, mas têm até sete vocalizações diferentes utilizadas quando estão aflitos, ansiosos ou perturbados, de acordo com o Wildlife Research Institute. Segundo o North American Bear Center, ​os ursos têm demonstrado ter melhor capacidade de navegação do que os seres humanos e melhor memória a longo prazo.

Exclusivo PÚBLICO/The Washington Post